Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Violência e Vingança - Não é tudo a mesma coisa?

 

Acho curioso vivermos numa sociedade em que a violência - na sua generalidade - é repudiada e a vingança - na sua generalidade - enaltecida, ainda que possamos falar do mesmo nível de dor e crueldade. Do cinema à realidade. É sempre assim. Não o podemos negar.

 

Crescemos a enaltecer um homem que roubava aos ricos para dar aos pobres. Mas... Há roubo e roubo? Ou Roubo é roubo? E roubar não é condenável sempre?

 

Deixamos os "nossos filhos" crescer com imagens de super heróis que agridem e até matam os "maus da fita" e com princesas que se sobrepõe às bruxas más e só quando as bruxas são eliminadas é que as princesas são felizes. O bem sobre o mal. Mas matar continua a ser matar, e bater continua a ser bater... E qualquer tipo de agressão seja o "homem mau sobre o homem bom" ou o "homem bom sobre o homem mau" não deve ser condenável? Violência é violência e não a torna menos violenta só porque incide sobre alguém com má índole. Ou torna? No entanto continuamos a vibrar com filmes em que um homem - ou mulher, irra! - vinga a morte da sua família matando um por um, todos aqueles que lhe fizeram mal - falo por mim, que eu cá adoro o Kill Bill não vou negar -, nem lhe chamamos de pessoas violentas... Chamamos de justiceiros! Ninguém chama de monstros, àqueles que apedrejam e espancam em praça pública um assassino. Estão a fazer justiça. Atenção que não estou aqui a avaliar o conceito de justiça, que eu também tenho o meu conceito de justiça bastante peculiar e igualmente preconceituoso e bato palmas e fico de sorriso maléfico no rosto, por exemplo, sempre que um touro fura gravemente um toureiro ou ficaria se pudéssemos cortar os dedinhos daqueles que mexem no que não é deles, ou cortar a pilinha aos.... pronto já chega!

 

Não. Não quero falar de justiça, mas quero tentar perceber e avaliar as diferenças entre a nossa penalização da violência e a nossa capacidade de aceitar uma vingança.

 

Por que é que é tão fácil aceitar a violência justificada? Será que é porque no fundo somos seres amantes de sangue, e o facto de existir um motivo, nos alivia a consciência? Ou será que somos simplesmente parvos e não há justificação possível?

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.