Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Uma espécie de Review de alguém que não percebe nada disto: It

Regressei ao cinema, desta vez para ver o It. Conhecia o It de 1990 lembro-me de o ter visto há muitos anos e de o achar um dos filmes mais assustadores que já tinha visto, por isso tinha umas expectativas elevadas, mas posso já adiantar-vos que não superou as expectativas, nem um pouco.

 

 

A história começa com o desaparecimento de Georgie, que devido ao seu barquinho de papel cair num boeiro, é abduzido pelo palhaço Pennywise. Depois de Georgie outras crianças começaram a desaparecer da cidade e é então que o irmão de Georgie e os seus amigos - todos eles hipersexuados, conhecidos por "falhados", todos eles com um historial de abandono/abuso familiar - decidem investigar o desaparecimento das crianças que parece estar relacionado com o sistema de esgotos da vila.

 

Assim começam a ser aterrorizados pelo palhaço que se alimenta dos seus medos para ter força para continuar a aterrorizar outras crianças. Assim Pennywise não é sempre um palhaço, pois assume as diversas personagens que cada criança teme: uma figura de um quadro, os pais, e ele próprio já que é muito comum as crianças terem medo de palhaços. Pennywise tem uma vantagem, como se alimenta do medo das crianças só as crianças o podem ver, não existindo possibilidade de os adultos intervirem. Se não houver medo, não há Pennywise, como se irá verificar ao longo do filme.

 

Quando descobrem onde Pennywise habita, as sete crianças decidem tentar terminar com o pesadelo que de 27 em 27 anos aterroriza a vila. Será que vão conseguir?

 

O filme tinha tudo para ser altamente assustador. Um escritor que é o verdadeiro mestre do terror, um palhaço com uma caracterização incrivelmente arrepiante - digo-o eu vá, que tenho pavor de palhaços - e um cenário bastante realista. Mas não o é. As cenas são previsíveis. Não há espaço para o espetador se assustar. Podemos não saber exatamente o que vai acontecer, mas sabemos sempre quando vai acontecer algo e isso tira todo o encanto do filme. Não há terror, só há horror... O filme é muito nojento. Todo o filme é feito à base sangue e outros fluidos, zero sustos, e olhem que eu sou bastante suscetível, sou o que se chama de.... Muito medricas e há filmes que tenho de ver com a luz acesa, digo-vos que a primeira vez que vi o Shinnig, vi-o com a televisão sem som, e mesmo da segunda vez que o vi, estremecia sempre nas cenas mais arrepiantes. Neste filme somei zero sustos, zero terrores. No entanto é um filme que diverte, é no fundo uma aventura juvenil com algum horror à mistura.

 

Esta versão do filme parece-me muito pouco realista, ao ponto da sala de cinema se rir em uníssono em algumas cenas. Os miúdos têm discursos muito pouco coerentes tendo em conta o terror que estavam a viver.

 

No entanto a história em si é incrível: Retrata a forma como o medo nos pode paralisar, seja medo de um palhaço assustador, ou o medo de um pai abusador, ou o medo de um bully. É o medo que nos faz fraquejar e somos muito mais fortes, invencíveis até, quando não temos medo, porque sem medo enfrentamos os problemas verdadeiramente.

 

A história retrata também de forma assustadora - por ser real, não por meter medo - de como os nossos pais, a nossa infância influenciam aquilo que nós somos e tantas vezes de forma negativa. Um dos miúdos cujo pai era violento e que o humilhava constantemente tornou-se num criminoso, num assassino. A miúda cujo pai abusava dela, tornou-a demasiado confortável com os rapazes dando-lhe a fama de oferecida, apesar de não ser verdade. O miúdo que tinha uma mãe demasiado possessiva tornou-se hipocondríaco. Entre outros estereótipos familiares.

 

O filme passa uma mensagem brutal, e demonstra a violência entre pares, a ausência e total desresponsabilização educacional dos pais entre outras situações, mas se estão à espera de um verdadeiro filme de terror, daqueles que vos colam à cadeira e vos fazer apertar e arranhar o braço ao lado, baterão à porta errada. Numa das cenas, em casa do Pennywise tem três portas: uma que diz: "Nada assustador"; outra que diz "Muito assustador" e outra que diz "mesmo muito assustador" e pegando nestas três portas, identifico este filme como nada assustador. Acho que é um bom filme de aventura, um mau filme de terror, mas é sem dúvida um filme que entretém. Deitasse Stanley Kubrick as mãozinhas a este roteiro que o filme seria terrorífico, assim é só mais um.

 

E daqui: Quem já viu o filme o que achou?

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.