Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Uma espécie de Review de alguém que não percebe nada disto: As cinquenta sombras mais negras.

Vi o primeiro filme e gostei muito por isso não poderia deixar de ir ver este. Não li os livros - não são o meu género de literatura - mas gostei dos filmes, acho-os uma versão moderna de conto de fadas onde entra uma questão muito importante que nunca é abordada: o sexo. Choquem-se, finjam-se surpreendidos mas a verdade é que o sexo importa numa relação, seja com chibatadas ou sem elas. Cabe ao casal e só a ele decidir o que entra e o que os satisfaz desde que seja de comum acordo. Não me venham com a história que é a promover a violência doméstica, porque isso não faz sentido. As práticas de sadomasoquismo, quando consensuais entre os parceiros, estão longe de serem violência, é apenas preferências sexuais: há quem se excite a ver o outro sofrer, há quem se excite com a dor. Há quem se auto-sufoque aquando a masturbação para potenciar o prazer. Não é violência doméstica, acreditem, não é. Violência doméstica é muito mais do que umas palmadinhas durante o sexo e umas amarras, violência doméstica é todo um desrespeito pelo outro, que começa na cozinha, permanece às refeições e que se eleva a todos os níveis.

 

Ora vamos lá falar d'As Cinquenta Sombras Mais Negras.

 

 

Continuo a achar este filme bastante soft, continuo a olhar para o filme - porque lá está, não li nenhum livro - como uma história de amor entre um amante de algo mais pesado e uma miúda que se deslumbrou com tudo o que Grey lhe pode dar, do sexo ao luxo, já que amor, sinceramente, amor ele dá-lhe pouco.

 

Há uma coisa que me continua a irritar neste filme, que é ela. Continuo a achar que a Dakota Johnson não é a atriz ideal para o papel da mesma forma que não consigo achar a Kristen Stewart adequada para a Bella do Crepúsculo, exatamente pela mesma razão: falta-me sal, pimenta, e algumas ervas aromáticas. A miúda, certo, entendo que a personagem é envergonhada, mas ela quase não se ouve a falar, parece que está sempre a sussurrar, e se quando se enerva ela consegue ter mais alguma emoção, a verdade é que o tempo todo tem uma ausência de emoção, de sentimentos que me intriga, no entanto, é apenas uma personagem e não é por morrer uma andorinha que se acaba a primavera.

 

Quem viu o primeiro sabe que Anastasia e Christian terminaram a sua relação por este ter ido longe de mais nas suas preferências sexuais, existindo desrespeito pela Anastasia que o abandonou. Neste filme, Christian percebe que foi longe de mais, e pretende reconquistá-la, estando disposto a quebrar todas as suas regras, todos os seus acordos e ter uma relação dita "normal" com a Anastasia. No início a própria estranha, mas decide dar-lhe uma oportunidade, mas outras personagens - desde a amiga da mãe que abusou de Christian em miúdo, a uma rapariga que foi sua submissa e que é obcecada por Christian - prometem não dar descanso à relação. Será que a relação entre ambos, tão diferentes, poderá sobreviver?

 

Gostei bastante do filme, se da primeira ver fui totalmente às cegas, desta vez fui com expectativas a saber o que iria ver e o que não iria ver. Estranhei, algumas pessoas saíram do filme a meio, outras saíram no intervalo e não regressaram, o que demonstra diferentes relações que as pessoas têm com este filme. Algumas estariam à espera de ver um filme pornográfico? Pois não sei... Esperavam algo puramente romântico? Realmente não sei. Como já vos disse, para mim este filme é apenas uma história de amor entre Christian e Anastasia com algumas cenas ousadas pelo meio, mas está longe de ser um filme pornográfico e até mesmo erótico. Temos de ter noção que - ainda para mim que adoro psicologia - este filme é muito interessante do ponto de vista da psicologia. Christian foi abusado em pequeno por uma amiga da mãe adotiva, tudo aquilo que ele é deve às experiências boas e más - mais as más, efetivamente - passadas. Christian viu a mãe morrer com uma overdose e depois foi adotado por uma família de posses que o permitiu crescer e perceber o que não queria ser no mundo, por isso não podemos ver a história como apenas um maluquinho que gosta de bater em mulheres porque efetivamente vai muito além disso. Uma vez que neste filme Christian está a tentar redimir-se com Anastasia, verão ainda um outro lado mais meigo e não tão mordaz, pelo que efetivamente gostei bastante do filme e para o ano lá estou novamente no cinema a ver As cinquenta sombras livre.

 

E daqui, quem já viu? Quem não viu nem tenciona ver?

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Mula 21.02.2017

    Eu também comecei a ler o primeiro livro mas.... aquilo não é para mim! O tipo de escrita tão básica tão.... não dá, não dá! xD Mas adoro os filmes. É como o Nicholas Sparks, não gosto dos livros, sou fãzérrima dos filmes!


    Fico com a mesma sensação que tu: quando vejo pessoas a dizer que aquilo é violência doméstica fico com a ideia de que: ou não viram o filme e baseiam-se em... nada! Ou então não viram o mesmo filme que eu. Há filmes tão violentos de que ninguém fala, e este que é uma simples história de amor com algum sexo há mistura é "o drama, a tragédia, o horror!" Não é... levar umas palmadas não é violência, ou então olha, que toda a violÊncia do mundo se resumisse isso e andava toda a gente bem mais feliz! Image
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.