Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Tornei-me dadora de sangue

Chamem-lhe comodismo, preguiça, estupidez o que preferirem - tenho até nomes mais feios para me chamar mas não quero ferir suscetibilidades - mas a verdade é que ando de ano para ano para doar sangue e a coisa foi-se adiando. Passei pela fase do: "Gostava de doar mas tenho medo de agulhas!" Felizmente passou e deixou de ser desculpa a partir da minha primeira tatuagem. Depois passei para a fase do "Tenho de ir..." que se foi protelando e protelando. Até que chegou a vez do "Desta semana não passa!" E ontem finalmente tornei-me dadora.

 

 

 

Doar sangue é dar vida e a verdade é que parece um processo complicado, demorado e doloroso, mas a verdade é que é bem simples, rápido e suportável. Daqui a 4 meses lá estarei novamente, não voltarei a adiar até porque os horários alargados dos centros não permitem qualquer desculpa. No Instituto Português do Sangue e de Transplantação - no Porto - as dádivas podem ser recolhidas de Segunda a Sábado, das 8h até às 19h30 e para verem como é um procedimento rápido, fui lá num pezinho e vim noutro, na minha hora de almoço.

 

É simples: Cheguei e preenchi um formulário. Como era a primeira vez estive com uma menina a recolher os meus dados pessoais. Num instante chamaram-me para verificar as tensões, bem como os níveis de ferro e glicémia e certificarem-se do meu historial médico - e sexual, pois claro. Ofereceram-me algo doce para comer e beber - e a Mula gulosa não se faz de rogada, obviamente - e passei logo para a sala de dádivas, onde me instalaram confortavelmente num cadeirão - dormia ali! - e onde me explicaram todo o procedimento e efetuaram a respetiva colheita.

 

Como era a primeira vez, estava com receio de me sentir mal e da coisa correr mal, mas a verdade é que não houve qualquer problema ou complicação. Fiquei um pouco enjoada, mas foi ligeiro, e nada que uma boa água açucarada não resolvesse.

 

Não vos posso dizer que a agulha - ou devo dizer agulhão? - não assusta um bocadinho, e não vos posso mentir e dizer que não dói nada, porque dói um pouco e é um pouco desconfortável. Mas... Não devo ali ter estado mais de 10 minutos, é perfeitamente tolerável e com apenas estes 10 minutos de desconforto podemos salvar alguém que pode estar em verdadeiro sofrimento e até mesmo salvarmo-nos a nós, porque passamos a estar muito mais vigiados, já que o nosso sangue é sempre analisado e é-nos sempre dado feedback.

 

A equipa técnica do Instituto Português do Sangue e de Transplantação do Porto é excelente: Gente bem disposta, paciente, com sentido de humor... O que faz com que aquele momento passe bastante rápido. Não vos vou dizer que não preferia estar numa esplanada a apanhar sol e a comer um gelado, mas certamente as pessoas que regularmente necessitam de transfusões também dirão o mesmo.

 

A verdade é que custa tão pouco ajudar quem mais precisa!

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Mula 10.04.2019

    Eu também tinha, fui com alguém que já costuma dar para ter apoio moral!
    Vai com coragem Trevo! ^_^
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.