Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Solidariedade, Marketing e Bom Senso

 

 

Estamos oficialmente na época dos peditórios. Esta época inicia-se no dia 1 de Novembro com o Dia de Todos os Santos e prolonga-se até finais de Dezembro para aproveitar o espírito natalício.

 

Dizem que nesta altura as pessoas são mais solidárias. Dizem que no Natal as pessoas colocam a mão à consciência e contribuir é uma forma de lavar a alma. Acredita-se, e se assim é, é porque deve ser verdade, que nos meses em que as pessoas gastam mais dinheiro e ficam depenadas - e algumas endividadas - até Março, que é mais fácil que as pessoas contribuam, quiçá na esperança de encontrarem um lugarzinho felpudo no céu.

 

Eu sinceramente não acredito.

 

Sinceramente acho que nos moldes que os peditórios são realizados, é possível obter uma boa adesão independentemente da época em que é realizado - com à exceção de Janeiro e Fevereiro, que já se sabe, nesses meses o dinheiro já quase nem estica para pagar a água, porque a juntar ao dinheiro que se pediu emprestado para as prendas de Natal, está a conta da luz que inclui quase 2000 horas de ar condicionado ou aquecimento central para tirar a humidade dos ossos. 

 

Ora vejamos:

 

As pessoas que efetuam os peditórios encontram-se a fazer barreira humana nas entradas dos supermercados ou nos centros comerciais, não dando grande espaço à pessoa de decidir se quer ou não contribuir, nem se querem ou não falar com estranhos, muitas das vezes esticam o saco - quando é pedido de alimentos - de uma forma que o nosso cérebro pega sem pensar porque é automático, e como se isto ainda fosse pouco ainda colocam crianças pequenas a fazê-lo. Como dizer não a uma criancinha? É o mesmo que nas ruas das cidades os pedintes terem um cãozinho com um cesto na boca enquanto o palermita do dono toca umas notas num acordeão. Porque não segura ele o cesto com os dentes? 

 

Adiante. 

 

Calma, antes de começarem já a cuspir fogo, a atirar pedras ou a arrancarem os cabelos leiam só mais um pouco.

 

O que está em causa não é a pertinência da causa, a necessidade que as instituições têm, e a importância das mesmas nos meios onde se inserem. Essa questão daria todo um outro e diferente texto. A questão é a forma como as pessoas são abordadas, como as coisas são realmente feitas. Não é possível assim, determinar a solidariedade das pessoas porque desta forma não é possível avaliar se a pessoa contribuiu porque quis ou porque se sentiu obrigada, por padecer daquele grande mal que na ótica da Mula é muito comum nos portugueses, o não saber dizer não. E quem estabelece estas campanhas sabe perfeitamente disso. Sabe quanto mais agressivo for o peditório mais as pessoas contribuem.

 

Certo, as instituições precisam tanto, tanto tanto que só assim é que conseguem obter resultados satisfatórios. Certo. Entendo. Entendo mas não concordo porque para mim é uma forma de coação. Eles estão no direito de pedirem,  eu estou no direito de dizer que não, e ainda há quem esteja no direito de não querer ser abordado. E além do mais as pessoas têm direito a esse espaço de decisão, sem pressões nem atentados ao espaço físico alheio. Vivemos numa democracia certo? Então quer quer contribuir contribui, e não precisa que lhe impinjam um saquinho ou um autocolante para a lapela, quem não quer não contribui. Estas campanhas devem continuar a existir, mas sem que as pessoas que ali estão interfiram no espaço social dos outros. Considero por isso, e que cada vez mais, há falta de bom senso. Não tarda, não colocam só criancinhas de 8 ou 10 anos a pedir, colocarão antes criancinhas com 8 ou 10 anos a pedir, com um cão/gato bebé numa mão, e o saco ou "mealheiro" na outra, enquanto fazem barreira humana nos supermercados e entradas dos shoppings.

 

Pode-se fazer? Pode-se. É ético? A Mula acha que não! Se a Mula acha que se deve pedir? Acha pois. Se a Mula acha que as pessoas devem sentir-se obrigadas a dar... Não, obviamente que não!

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Mula 26.11.2017

    " por os filhos terem ido de férias e quem pagou foi a instituição"

    Pois, esse é um dos outros grandes problemas... Também conheço pessoas que não precisam e a quem são distribuídos bens...

    "Fui lá dentro, comprei um saco de 10kg "

    Claro, porque te deram margem para decidires, e é assim que deve ser. Eu também ajudo quando posso e quando acho que devo ajudar. Mas se for pressionada a verdade é que não ajudo.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.