Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Sobre o karma

É inegável que ele existe... Mesmo que o neguemos.

 

Como já perceberam eu e o moço terminamos.

 

2 anos, 2 meses e 13 dias. 

 

2 anos, 2 meses e 13 dias deitados ao lixo. Pensei que finalmente tinha encontrado o meu companheiro para a vida. Ainda não. Perdi tempo? Não digo que perdi porque vivemos momentos fantásticos que me fizeram perceber o que quero de uma relação, mas a verdade é que também vivemos momentos muito maus, mesmo muito maus que também me fizeram ver o que NÃO quero de uma relação. Muitos deles por minha própria culpa - sim, polícias da ortografia, eu sei que estou a usar um pleonasmo! - e uma vez mais o karma não perdoou.

 

O primeiro ano, que deveria de ser o melhor, não foi bom. Tenho noção de que foi demasiado precipitado e que eu não estava preparada para ter uma relação. Gostava dele, mas não tanto quanto ele gostava de mim e os meus traumas, os meus demónios não me deixaram ser plena, não me deixaram entregar, e quem tanto anda de pé atrás acaba a tropeçar. Tropecei e caí. Terminei tudo em Fevereiro de 2020 quando ele queria ir viver comigo. Sim, eu fui essa cabra. Entretanto com uma pandemia a correr lá fora, isolada do mundo, de tudo e de todos entrei obrigatoriamente em introspeção, coisa que deveria de ter feito voluntariamente a seguir ao divórcio mas que acabei por fugir. Enfiar a cabeça na areia nunca é solução, mas foi a solução que na altura me pareceu mais confortável e conveniente. Fui camuflando a dor e as mazelas com um novo amor e acabei por arrastar o moço para as minhas merdas e a verdade é que quando assim é, tem tudo para correr mal. Correu bastante mal. Acabei por magoar quem mais gostava e quem tanto me poderia - e queria - fazer feliz. Da meditação forçada pelo covid, acabei a perceber - tarde... - o que queria realmente para a minha vida e que gostava mais do moço do que realmente achava. Corri atrás. Em Junho de 2020 voltamos a namorar, mas nada mais foi igual.

 

Ele que me dava a lua se eu pedisse, não dava nem um carinho inesperado. Compreendi. Aceitei. Rezei para que se voltasse a entregar, para que voltasse a ser o moço que eu conhecia e pelo qual me tinha apaixonado. Os meses foram passando, e se houve alturas em que achei que as coisas estavam a melhorar, a verdade é que noutras, tinha clara noção de que estavam a piorar para um caminho sem volta. Terminamos e recomeçamos vezes sem conta, mas em Junho deste ano tornou-se definitivo.

 

Se uma parte de mim estava sempre à espera - em agonia - que esse dia chegasse, uma outra parte de mim foi apanhada totalmente desprevenida. Queria tanto que desse certo, sentia-me a correr contra o relógio, mas pelos vistos há um ano atrás já tinha sido tarde demais, e o relógio já estava avariado há muito tempo... Eu é que me recusava a achar que não.

 

Desencontramo-nos. Acabei por engolir a dor que lhe causei e mais alguma que fomos acrescentando. O karma, ai o karma... Deveria de ter sido mais compreensivo o karma...

 

E é assim a vida...

 

O que tem de ser... é. O que não tem de ser, não é. 

 

Pelos vistos não tinha de ser...

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.