Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Quem conta um conto... #12 Cartas Soltas II

Mandei limpar a nossa aliança de casamento. Senti que tinha tirado o mundo de cima de mim. Senti-me tão leve, tão livre, tão solta. O peso do mundo saiu de cima dos meus ombros por breves instantes, por preves minutos, não mais que isso... por breves minutos. Mas nesses instantes fui feliz, fui eu, novamente, como o fui há muitos anos atrás.

 

Se há 20 anos atrás me perguntassem se era feliz, dizia-o sem reservas, sem dúvidas, dizia que era feliz com a total consciencia que o era realmente. Depois conheci-te, e a minha vida ficou ainda mais completa, mais feliz. O meu coração ficou ainda mais cheio.

 

Hoje, 20 anos depois sinto que sou merda para ti. Quando olho nos teus olhos sinto-me merda, porque tu me fazes sentir merda. Não pelas tuas palavras, não pelos teus atos, mas pelo teu olhar. Sou merda para ti.

 

Não importa continuares a dizer que fazes tudo por mim, que andas comigo para todo o lado. Não importa porque não o fazes por ti, não o fazes genuinamente porque queres, porque gostas, porque te importas. Fazes porque parece bem, porque um dia te disseram que deverias de ser meigo e generoso com as mulheres. Mas os teus olhos dizem o contrário.

 

Poder-me-ia divorciar de ti? Podia... claro que podia. Mas... por vezes é mais fácil suportar a amargura dos teus olhos que um novo recomeço. O que tenho a perder estando contigo, é menor do que o que perderei se for para longe de ti. Se ganharia uma vida mais feliz? Provavelmente, mas acho que já não consigo nem tenho forças para recomeçar, para conquistar, para seduzir novamente. Fazes-me sentir merda, e por isso sou um bocado merda, realmente. Há muito que engordei, há muito que deixei de me arranjar e já nem reconheço a imagem que o espelho reflete. Há muito que sou efectivamente merda.

 

E tu, finalmente sentes-me desvanecer... sentes que aos poucos perco a alegria que tinha dentro de mim e isso lembra-te a vida miserável que temos, os sentimentos miseráveis que demonstramos ter um pelo outro. E por isso tentas... Tentas, em vão colar os pedacinhos da minha alma. Tentas remediar o que remediado está e mais remédio não existe. Tentas e continuarás a tentar, mas dentro de mim já não há ninguém. Já não hás tu, nem eu... Já não há ninguém. 

 

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Mula 27.02.2016


    Por acaso desconhecia completamente o seu blog, por isso provavelmente alguém acedeu ao seu a partir do meu...


    Todavia, não percebi muito bem o que me está a dizer. Peço desculpa se compreendi mal, mas pelo que percebi diz-me que não posso escrever sobre o que bem me apetecer e inventar as histórias que me apetecer porque isso é julgar os outros?


    Dá também e entender que não admito que este é um problema meu, mesmo sendo...? Sabe que eu sou anónima, certo? Por isso poderia dizer sem medo ou problema que era sobre mim, já escrevi tanta coisa sobre mim, coisas até bem feias e tristes, este não é o caso. Os contos que escrevo são, quase todos na sua maioria inventados - caso contrário era uma assassina... porque já escrevi que uma personagem matou outra. Mas porque nada, nunca, se inventa totalmente, obviamente existem sempre alguma inspiração de fora, dos livros, das novelas, dos filmes, de histórias que se ouvem daqui e dali. Julgar, seria colocar nomes, seria tecer considerações sobre vidas alheias... não vejo nada disto aqui.


    Acha que os escritores escrevem sempre sobre si? Todos os livros que conhece são autobiográficos...? Não que me considere escritora, mas no meu blog sou escritora, porque é meu, porque escrevo, e escrevo sobre o que bem me apetecer.


    Agora, claro que cada um é livre - viva a liberdade de expressão - de pensar o que quiser e bem entender, mas julgar-me desta forma, ao mesmo tempo que me acusa de julgar os outros... não me parece muito coerente.


    Cumprimentos, e bom fim-de-semana. Image
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.