Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Quem conta um conto... #4 O amor é eterno, as pessoas é que não!

E hoje, saiu mais um conto aqui para o cantinho da Mula...

Porque hoje estou muito amor, sai mais uma história de amor para a mesa 5, se faz favor! 

 

conto.jpg

 

Tina e Filipe passaram toda a sua vida juntos. Casaram-se aos 18 anos, aos 19 já tinham um filho, e foram sempre, muito unidos. Tinham os seus desentendimentos, é claro, mas quem não os tem? Contrariamente ao que é tomado por referência, na sociedade portuguesa, Tina e Filipe, eram um casal diferente, muito modernos para o seu tempo. Era Tina quem conduzia - Filipe nem tirou a carta, nunca foi necessário -, era Tina, quem geria a casa e as finanças, quem geria as propriedades que ambos possuíam. Filipe embora não gerindo, segui-a para todo o lado, mas a última palavra era sempre de Tina. Amavam-se e eram assim, felizes!

 

Tina e Filipe eram muito diferentes um do outro, e talvez por isso, fossem um casal tão equilibrado. Ela era alegre e muito faladora. Ajudava sempre quem mais precisava e sempre fora um ponto de referência entre a vizinhança. Não era de guardar rancores, ou más recordações, dizia que "o que lá vai, lá vai", sempre com um sorriso no rosto, pronto a receber quem estivesse disposto a entrar. Era desbocada, dizia muitos palavrões, mas alegrava todos por onde passava. Tina tinha uma saúde de ferro, nunca se deixara ficar doente, pelo menos, nunca a viram doente. "Uma guerreira" diziam quem a conhecia. Sempre gostaram dela, tal como ela era.

 

Ele era o seu oposto. Muito reservado, pouco falador, mas apreciador de umas boas piadas, talvez por isso amasse tanto Tina, sabia que a seu lado nunca ficaria triste. Filipe era sincero, muito acarinhado pelos amigos. Um amante de música clássica e de bons livros, gostava do seu sossego e de estar em silêncio. À medida que fora envelhecendo, Filipe foi ficando muito doente, de uns anos para cá, passava mais tempo no hospital que na própria casa. Tinha um problema respiratório crónico e não havia muito a fazer. Mas nem a doença lhe tirou a vontade de viver. Continuou a ser quem sempre fora, a fazer as mesmas coisas, todos os dias da sua vida, não como se fosse o último, mas como quem ama a vida. Nunca pensara muito nos últimos dias da vida. Era um optimista irremediável. Nunca o viram infeliz, triste ou com um ar mais pesaroso.

 

Ao fim de 40 anos juntos, a vida deles, enquanto casal, chegou ao fim. Filipe morre e deixa Tina em terra penando pela sua ausência. E já se sabe, quando existe um amor assim, quem vai, leva a alma de quem cá fica. Mas Filipe levou consigo, muito mais que a alma de Tina. Filipe Levou-lhe a sua alegria, a sua vontade de viver, a sua sanidade mental, e desde então que não existiu um único dia, que Tina não chorasse a sua morte.

 

Meses mais tarde, Tina morreu de tristeza, porque a tristeza também mata. Há quem diga que nessa noite, o céu ficou mais estrelado, e a lua mais brilhante. Dizem que alguém, num outro lado, num outro mundo, reencontrou quem tanto procurava...

 

Eu não sei se é verdade... mas acredito em finais felizes!

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Mula 14.09.2015

    Image
    Obrigada!
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.