Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Quem conta um conto #18 Cartas Soltas VI

Screenshot_1.png

 

Se fosse tão fácil olhar nos teus olhos e dizer-te o que sinto, como me é fácil escrever um conto. Se fosse possível as palavras descreverem a imensidão dos meus sentimentos, das minhas dores, dos meus medos, como me é fácil sentir, como se fosse fácil sentir, só por si só. Se fosse, tu saberias o que sinto sem que eu precisasse de escrever, ou dizer. Sentirias só, pelo cheiro da minha pele, pelo tom os meus olhos, pela forma como molho os lábios quando te vejo, antecipando o beijo que poderás dar, mas que nem sempre dás. Na minha mente e expectativa sempre dás. Sempre me agarras e beijas, essencialmente quando menos espero. Na minha mente e expectativa. Mas nem sempre dás.

 

Se fosse fácil sentir e demonstrar, não precisaria de te dizer que quando te vais da cama cedo que me deito na tua almofada para sentir um pouco mais o teu cheiro, para te sentir um pouco mais e mais perto, durante mais tempo. Porque na tua almofada não é apenas o teu cheiro, e o teu cheiro não é apenas o teu cheiro, é também um pouco de ti. Gostava de ter um pouco de ti, por mais tempo.

 

Se fosse fácil sentir tu sentirias e nem eu teria medo, nem tu terias medo e sentiríamos só, o momento. Se fosse fácil sentir, seria fácil viver. E se fosse fácil viver não me espetarias, meu amor, tantas facas no peito que me matam lentamente dia após dia, hora após hora. Se fosse fácil viver e se fosse fácil sentir não precisaria de te deixar cartas pela casa com uma brecha do que me vai no coração, na alma. Nem eu sei. Nem eu sei o que me vai no coração e na alma, porque não é fácil sentir. Não é fácil amar-te e odiar-te do mesmo lado do coração. Não é fácil querer-te perto e querer-te longe, do mesmo lado do coração. Não é fácil sentir porque os sentimentos são difusos, e baralham-se na confusão dos dias. E como é difícil sentir, também é difícil escrever. Não é difícil escrever sobre os dias, sobre os sonhos e desejos, mas é difícil escrever sobre o que sinto porque nem eu sei o que sinto.

 

Sinto tudo e não sinto nada. Superficialmente nada sinto. Não me toca na pele, parece que não me toca no coração e parece impossível tocar na alma, mas se olhares de mais perto, meu amor, verás que tocou na pele, rasgou o coração e desfez a alma em pedaços mil impossíveis de juntar.

 

Sentir amor por ti é desfragmentar-me. É despedaçar-me em pedacinhos ainda mais pequeninos. E mesmo assim não te toco como te queria tocar, não te beijo como queria beijar, não te demonstro que te amo como gostaria de demonstrar. Mas... se conseguir, meu amor, tu ficas? Ficas comigo? Não te vais?

 

Perguntei-te mas já não me ouviste. Bateste a porta e já não te vi, e com a porta fechou-se também este envelope com esta carta que agora queimo à lareira enquanto guardo em mim esta dor cuja dimensão eu desconheço - porque é difícil sentir! - causada pela tua partida.

 

Quem sabe seja até um dia... 

 

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.