Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Quem conta um conto #13 Em Busca da Felicidade

Em 2009 participei num passatempo de uma editora para publicar um conto e fiquei assim com uma espécie de publicação em livro, do dito conto. O tema era o fantástico, e foi esta a história que saiu. Sete anos passaram desde então... Partilho convosco o conto, a quem gostar do estilo, bem diferente do meu estilo actual. Ah! Antes que perguntem, esta é uma história com final feliz... ou não! 

 

quem conta um conto.jpg

 

Surge pela parda encosta, o olhar da enigmática criatura, amedrontando os elfos da região de Trinity. Há muito que a região se encontra envolta em grande mistério e terror, apesar da aparente paz que se faz notar com o raiar do sol. Quando as naturais luzes se apagam e o sol dá lugar à presença da lua, o agitar das árvores torna Trinity num lugar tenebroso e frio, antecipando o recolher dos elfos. Durante a noite, não é apenas o som das folhas e dos ramos que se faz notar, mas um guinchar agudo, vindo de criaturas desconhecidas que parecem querer vingança pela felicidade elfiana.

 

São vários os elfos que sonham com o fim da tormenta e apesar de serem conhecidos como uma raça forte e corajosa, apenas Syria, uma jovem bela e aventureira prometeu devolver à sua terra o sossego outrora sentido. Há muito que a jovem indaga a origem dos gemidos, todas as noites veste-se de coragem e aventura e parte em busca do desconhecido, porém, sozinha apenas descobriu o olhar de uma fera amansada e amedrontada, que desapareceu na encosta assim que sentiu a sua presença. Aguçada a curiosidade, a bela jovem decide partir em busca da feroz criatura, deixando a povoada Trinity, aventurando-se pela densa floresta. Para tal, decide falar com quatro guerreiros da região para que a acompanhassem nesta aventura: Neon, Liah, Nimo e Steph.

 

 

– Neon! Vens? – Alto, louro e de olhos azuis esbugalhados é o eterno apaixonado de Syria, sempre a tentou impedir de procurar o tormento, porém, sabendo que a mesma não iria desistir, decide acompanha-la, para surpresa de todos.

 

– Não vejo a hora de a aventura começar! Estou entusiasmadíssima! – Diz Liah, com um sorriso de orelha a orelha. Não é originária de Trinity, porém foi lá que encontrou toda a paz e sossego, após ter fugido do seu reino, por se ter recusado a aceitar o trono. Tinha desde então, uma dívida muito grande para com aquele povo afável que a recebeu de braços abertos quando lá chegou descalça e cheia de fome. – Precisamos de uma bênção forte, precisamos de muita energia. Sei quem nos pode ajudar!

 

A pedido da princesa Liah, antes de se aventurarem pela grandiosa floresta e varrerem vales de lés-a-lés, os guerreiros procuram Mago Zuí, um velho elfo conhecido não só pelas suas grandes barbas, como também pela sua enorme sabedoria. Zuí há muito que se isolara, num lugar onde o azul do céu se confunde com o verde dos prados muito pouco povoado, denominado de Sabannah.

 

– Diz-se que deixara a sua terra natal por ser julgado louco e condenado à morte por acreditar em mundos nunca outrora vistos. – Conta Steph enquanto olhava para a sua silhueta reflectida num lago. – Mundos místicos e perigosos. Diz acreditar em fadas, monstros voadores e criaturas horrendas que massacram elfos mais fracos e resignados. É um louco! – Continua. Vaidoso e impaciente, Steph era o mais céptico dos elfos. – Nem acredito que lhe viemos pedir bênção e boa sorte quando apenas podemos contar connosco. É pura perda de tempo! – Continuou em tom de gozo.

 

Todos o ignoraram.

 

Após um longo dia de viagem, o grupo finalmente avista a singela casa do Mago, uma linda cabana em tons de amarelo à beira-rio, rodeada de papoilas coloridas, para desilusão do vaidoso Steph:

 

– Aguardava um castelo… Aguardava grandiosidade…

 

Subitamente uma ruidosa nuvem de poeira envolta em fúria surge do rio derrubando-os. Assustados, desatam a correr pela floresta desnudada, fruto de um inverno rigoroso, gritando por ajuda. Correm ofegantes, desejando ser um pesadelo. Repentinamente, tudo pára e a ruidosa fuga dá lugar a um silêncio avassalador que os gela. Olham à volta e nada vêm. Apenas árvores e a casa à beira-rio rodeada pelas papoilas, embora que mais longe. Ao fundo uma voz pouco nítida, mas notavelmente arrogante:

 

– Quem ousa insultar o meu mundo? É desta forma que pretendem procurar a besta que vos assusta? É toda esta coragem que vos move? Têm ousadia para me procurarem e insultarem a minha humilde casa e paz, e não têm a coragem para enfrentar a fúria dos deuses?

 

– Mas como é que…? – Incrédulo, Nimo tenta compreender como é que o mago sabia o que os trazia a Sabannah, porém sem sucesso.

 

Visivelmente afectado com as palavras proferidas por Steph, o barbudo afasta-se em direcção ao seu lar com uma ira nunca antes vista.

 

– Magi Zuí! – Gritou a bela Syria.

 

– Lembra-se de mim? – Continua Liah

 

Reconhecendo a princesa, Zuí corre em seu alcance e abraça-a. Um abraço tão forte e caloroso capaz de derrubar qualquer mágoa. Visivelmente feliz com a presença de Liah, Zuí concorda em ajuda-los. Fala-lhes sobre o oculto, em como as fadas são brincalhonas e desastradas e em como os monstros podem ser fatais. Conta que outrora fora capturado por formigas gigantes e cornudas, e libertado por cavalos brilhantes com asas.

 

– As sereias não são como as imaginamos… São falsas e atraem-nos com os seus estridentes grunhidos. Muitos elfos morreram pelo deslumbre da sua beleza…

 

Steph observa o grupo de longe, enquanto troça do que é dito.

 

– Balelas! – Pensa.

 

Após um longo dia de ensinamentos e quase com o sol-posto, Zuí prepara um delicioso jantar.

 

– Besugos grelhados com erva-doce e uvas passas. E para a sobremesa, mousse de frutos do bosque – Diz com orgulho, em forma de agradecimento ao grupo pela companhia prestada. Há muito tempo que não tinha visitas.

 

– Agradecemos o jantar, estava delicioso. – Afirma Nimo, o mais tímido do grupo. É um elfo com ar frágil e doce porém extremamente corajoso e com uma força incrível – Mas agora é melhor irmos andando, antes que o sol se ponha.

 

Dada a bênção e os ensinamentos, o grupo prossegue viagem.

 

– Deveríamos ter saído muito mais cedo, é já noite escura e nada conseguimos ver… Estas árvores são impenetráveis. – Comenta Nimo.

 

– O melhor é pararmos para dormir um pouco, já estamos a caminhar há várias horas… – Comenta Syria.

 

– É melhor fazermos turnos enquanto dois dormem, outros dois vigiam – Completa Neon.

 

– Eu? Turnos? Eu vou dormir…

 

– Tudo bem Steph! Fico eu e o Neon acordados inicialmente e depois o Nimo e a Liah. Pode ser? Longe de mim querer estragar o teu sono de beleza!...

 

O grupo concorda. Enquanto Nimo e Liah dormem profundamente enroscados um no outro, gemidos estridentes de bestas iradas fazem o enamorado casal temer a ida deles até à floresta. A meio da noite não são apenas os loucos gemidos, mas também pontos de luz que vão e vêm originando tenebrosas sombras de corpos esqueléticos saltando de árvore em árvore. Um desses pontos de luz ilumina uma gruta que desperta o interesse de Neon.

 

– Syria, fica aqui! – Levanta-se impulsivamente e acende uma tocha – vou ver o que tem lá dentro.

 

– Neon! Não vás, fica comigo!

 

Ternurento, beija a testa de Syria, olha-a com amor e desaparece por entre a escuridão.

 

Na manhã seguinte quando Nimo, Liah e Steph acordam, estão sozinhos. Nem sinais de Syria ou Neon. Preocupados, decidem procura-los, porém nada encontraram. De repente vêm a cintilar por entre umas folhas mortas, o pendente de Syria.

 

– Oh não! Isto é da Syria… o que terá acontecido? – Grita Liah aterrada.

 

– O mais certo é já estarem mortos, estamos a andar à horas e nada encontramos a não ser essa corrente de ouro… eles foram capturados de certeza. – Indicia Steph.

 

É então que um riso maléfico surge do nada.

 

– Ahahahah! Vocês elfos são tão ridículos e engraçados. Ahahah! – E da mesma forma que apareceu, desaparece.

 

– Mas…. Mas…. É uma fada! – Diz Steph terrificado.

 

Os guerreiros ficam perplexos ao ver algo que desconheciam existir. Sem se darem conta, uma vez mais, a pequena e cintilante fada, que vestia uma linda farpela azul, poisa no ombro da princesa e ri-se uma vez mais enquanto brinca com a situação dos três amigos.

 

– Vocês andam a procura de uma moça loira de orelhas pontiagudas? Ahahah! – Mesmo antes de o grupo confirmar, a fada continua a divertir-se, brincando com eles. – Nunca a vi! Ahahah! Nem a ela nem ao mocinho de olhos azuis com orelhas ridículas – Ahahah! – E esvoaça para bem longe enquanto faz entoar o seu riso pela floresta.

 

Certos que Miriam, a fada, sabe onde se encontra o casal, decidem correr em seu alcance. É então que Nimo cai numa armadilha de urso e fica com o pé mutilado.

 

– Temos que desistir, isto está a ficar muito perigoso. Temos que voltar a Trinity, enquanto pelo menos três de nós ainda estamos vivos! – Apela o presunçoso Steph.

 

– Nunca! Não deixarei Syria e Neon para trás. Nunca! – Contraria Liah. – Mas Steph, volta com o Nimo, ele precisa de cuidados.

 

Steph concorda. Porém a viagem até à calma região não é tão pacífica quanto eles esperavam. Mal deixam a destemida princesa, são perseguidos pelo desconhecido. Passos atrás de passos, fazem a terra tremer o que os deixa bastante apreensivos. Subitamente, uma sombra colossal surge do nada interrompendo o percurso dos dois amigos.

 

– Quem ousa pisar a terra de Boris? – Grita um monstro horrendo e gigante.

 

A sua voz faz-se entoar em toda a floresta fazendo abanar as árvores e tremer a terra e as folhas que nela poisam, porém apesar do seu aspecto rude, Boris é um monstro afável e vendo o pequeno elfo ferido, decide acalmar-se e leva-o ao curandeiro local, onde lhe é recomendado que fique em repouso durante alguns dias.

 

– Temos que pedir ajuda em Trinity, eu não posso ficar aqui durante tanto tempo. Eles precisam de ajuda. – Apela Nimo.

 

– Calma, pequeno falante, conheço quem vos pode ajudar a encontrar os vossos amigos. – Continua Boris.

 

É então que o gigante chama a pequena fada de farpela azul, Miriam, que apesar de continuar a rir-se dos jovens, decide ajuda-los. Como Nimo não consegue andar, apenas Steph a acompanha, que sempre em tom de troça, conta piadas sobre os perigos da floresta e em como vários elfos já tinham sido engolidos por aves esfomeadas.

 

– É ali que os teus amigos estão, menos a outra, a ruiva de cabelos encaracolados. Essa ainda anda à procura, coitada. Ahahah! – Quando se estava a preparar para fugir, Steph agarra-a com violência:

 

– Vais trazer a princesa Liah até aqui sã e salva! – Intima.

 

A pequena fada completamente aborrecida procura a bela ruiva e trá-la até ao recinto, onde Steph a espera ansioso e inquieto. Cumprida a missão, Miriam, vai-se embora completamente calada e aborrecida, deixando os dois amigos em frente ao casarão onde se encontra o casal. O casarão é feito de algodão doce, e tem uns barulhos festivos à volta. Quando entram, vêm Syria e Neon amarrados a uma árvore enquanto umas penas gigantes e automatizadas lhe fazem cócegas. À volta, criaturas encapuzadas grunhem e dançam como se de um ritual se tratasse. Liah, reconhece os grunhidos e garante que são os mesmos que atormentam Trinity. Sacam os arcos e as tochas e correm em direcção às criaturas para as abater. É então que Syria berra.

 

– Não! Não façam isso! Não os matem, tirem-lhe os capuzes e vão perceber. – Argumenta.

 

– Mata-os Liah! – Insiste Steph.

 

Liah decide aceder a Syria e aproxima-se de uma das criaturas, que completamente apavorada, não se consegue mexer, tirando lhe assim, o capuz.

 

Afinal a enigmática criatura é apenas um grupo de duendes em busca da felicidade. Procuravam todas as noites, elfos que pudessem servir de cobaias para a máquina do riso inventada por eles, porém nunca o tinham conseguido fazer, decidindo assim atrair os elfos até à floresta.

 

Sabendo que se contassem aos habitantes de Trinity a real história e que os duendes não foram castigados, o povo iria querer vingança, por isso, o grupo jura segredo e promete nunca contar o que aconteceu, na condição de deixarem o seu povo em paz. Aceitada a proposta, os guerreiros voltam para a sua terra.

 

– A criatura morreu? Voltamos a ter paz? – Gritavam os elfos.

 

– Nada encontramos, mas agora sabemos que não há nada a temer. A paz voltou! – Gritou Neon de felicidade.

 

Apesar de desconfiados, os habitantes decidem confiar no grupo. Porém dias mais tarde, Trinity é uma vez mais perturbada. Em busca de protagonismo o falso Steph decide quebrar a promessa e contar ao povo toda a aventura vivida. Não tendo a história sido confirmada pelos restantes protagonistas, Steph, tal como aconteceu ao Mago Zuí, é desacreditado, vaiado e expulso da comunidade por ser julgado louco.

 

Enraivecido e descontrolado desloca-se até Sabannah para se vingar, culpando o mago por tudo o que lhe acontecera.

 

– A única besta és tu! Viste no que me tornaste? Todos dizem que sou como tu e não é verdade! Tu és louco! Tu fizeste-me ficar louco e eu não sou como tu!

 

Sem discurso coerente, continua a gritar enquanto o mago apenas graceja, ri bem alto, com gargalhadas convictas, irritando-o cada vez mais. Foi então, que começou a correr em direcção a Zuí, com uma faca do mato, matando-o! Louco, foge para meio do mato, onde nunca mais foi encontrado.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.