Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Parcerias, amizades e trabalho

 

Confúcio um dia disse:

 

"Escolhe um trabalho de que gostes, e não terás que trabalhar nem um dia na tua vida".

 

Os dias de hoje são muito diferentes dos dias de Confúcio - ainda que também tenha dúvidas que na altura de Confúcio as pessoas tivessem condições para serem felizes no trabalho mas... - , nos dias que correm não é fácil fazer-se o que se gosta, ou apenas o que se gosta, e as empresas hoje em dia também nem sempre proporcionam as melhores condições para se vestir a camisola desta forma, e talvez por isso cada vez mais haja rotatividade de pessoal, enquanto nos tempos dos nossos pais e avós - calma, eu sei que Confúcio não foi conterrâneo da minha avó, tá? - trabalhava-se quase toda a vida no mesmo sítio. Não falamos apenas de condições laborais, obviamente, falamos de pensamento crítico. Hoje em dia as pessoas não se conformam, desejam evoluir, desejam progressão de carreia e de conhecimentos e por isso existe também uma constante ambição de se ter mais e melhor, e talvez por isso, nunca seja suficiente. Considero isto algo positivo. Sou contra a conformação.

 

Mas adiante, que não é sobre isto que pretendo dissertar.

 

Confúcio disse então "Escolhe um trabalho de que gostes, e não terás que trabalhar nem um dia na tua vida" mas eu Mula, corrijo e adapto aos tempos modernos:

 

Trabalha com quem gostas, e não te custará trabalhar um único dia na tua vida.

 

Nunca fui apologista de fazer amizades no trabalho, caí neste erro crasso no meu primeiro trabalho e correu terrivelmente mal e disse para mim que não voltaria a cair neste erro. Consegui manter esta máxima durante muito tempo, fui criando afinidades, claro, sou das que se dá bem com toda a gente mas sempre evitei que as pessoas entrassem demasiado na minha esfera pessoal. No entanto, na empresa onde trabalho atualmente deixei cair por diversas vezes a armadura e criei algumas amizades sólidas, daquelas com quem se pode desabafar do furúnculo que nasceu no dedo mindinho e da chatice que se arranjou com o namorado sem julgamentos ou olhares de soslaio. Nesta empresa criei algumas amizades que quero acreditar que são para vida. Aqui conheci aquela que é a minha melhor amiga, a irmã mais nova que a vida não me deu. Sempre que trabalhávamos as duas correu bem, ia trabalhar feliz, ia trabalhar animada e apesar de poder ter chatices - inerentes à função - ela estava ali para aliviar a carga emocional das chatices. E claramente, eu estava ali para ela.

 

Há quase um ano, na altura do Natal, mudei de departamento. Custou-me imenso deixá-la mas era uma oportunidade muito boa para mim e lá fui. Claro que as nossas rotinas se tornaram diferentes, mas nem por isso deixou de ter o papel que tem na minha vida e o facto de continuarmos a ver-nos e a falar diariamente ajudou que o impacto não fosse tão assombroso. Apenas deixei de trabalhar diretamente com ela.

 

Quando mudei de departamento conheci a nossa querida Mel, e aos poucos foi ocupando uma parte cada vez  mais importante nos meus dias. Começou por ser minha formadora, passou para minha colega, a nossa união cresceu para amizade e tornou-se mesmo numa confidente - e coitada... levava diariamente com os meus dramas! - e incrivelmente - e ao contrário do que se poderia prever - esta quarentena aproximou-nos ainda mais. Não me custava acordar para ir trabalhar, e mesmo naqueles dias em que bufava e pensava "ai que o dia nunca mais acaba" ou "nunca mais é sexta" a verdade é que reclamava de barriga cheia porque nunca tive dias verdadeiramente longos, porque trabalhar com a Mel é pôr o tempo do relógio a contar ao dobro da velocidade, os dias voam. Foi um prazer trabalhar com ela.

 

Ontem foi o último dia da Mel na empresa, e hoje lembro-me de um dos motivos pelos quais não gosto de fazer amizades no trabalho. Bem sei que ela vai continuar na minha vida, porque acima de colegas somos amigas mas... Ela não mora já ali ao virar da esquina e tenho noção de que o afastamento é sempre inevitável. Hoje o dia custará a passar, não acordei motivada, e acho até que gosto um pouquinho menos do que faço.

 

Trabalha com quem gostas, e não te custará trabalhar um único dia na tua vida. Perde a tua melhor colega e passarás a perceber o tempo que 8h de trabalho tem.

 

Tenho pena quando as empresas não sabem aproveitar os seus verdadeiros recursos e que percam funcionários como a Mel mas já se sabe, o lixo de uns, o luxo de outros, e espero sinceramente que a nova empresa lhe dê o mérito que ela merece, porque ela verdadeiramente merece! 

 

 

 

Ps.: Porra que éramos uma equipa do caralho!

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.