Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Operação Respirar # 1 Pré-operatório

1.JPG

Fui internada na segunda-feira logo de manhã. Às 7h30 já estava a fazer check in lá no hotel. Aliás, às 7h30 não, porque apesar de dizerem que o internamento era às 7h30, essa é também a hora de abertura do hospital, por isso cheguei atrasada, e ainda tive que discutir com o segurança que me estava a impedir de subir dizendo "não tenho nada a ver com isso! Tem de esperar!". Quanta sensibilidade. Quem é que tem a ver isso? Eu, que fui informada da hora? A malta da secretaria que definiu a hora? Ou o segurança que é só um energúmeno a trabalhar num hospital? Lá consegui entrar. E fiquei à espera na receção para entrar juntamente com um montão de gente que ia submeter-se à mesma operação.

 

Quem me conhece e me lê há algum tempo, sabe o quanto eu adoro ter pessoas que não conheço de lado algum a falar para mim - #sóquenão - , por isso imaginam o tamanho da minha alegria quando uma senhora com uma excitação que mais parecia que ia de visita à Disneylandia, veio de imediato ter comigo meter conversa dizendo que íamos ser operadas juntas e que a primeira a acordar acordaria a outra. Começou logo a dizer o meu nome a toda a gente, que, a sério, parecia que tínhamos ganho uma viagem e não uma cama no bloco. Imaginei logo a visão do inferno: toda ligada, cheia de dores e uma senhora com o dobro da minha idade mas com o triplo da minha energia a fazer conversa para me animar quando eu só desejaria dormir e desaparecer deste mundo. Sou muito dramática nas recuperações  confesso. Acho que tive mais medo da senhora do que da operação em si. E não estou a brincar! Felizmente, e posso já adiantar-vos, nunca mais a vi. 

 

Fui logo a primeira a ser chamada para o quarto e a ser preparada para ir para o bloco e por isso disseram-me que me tinha de despachar, porque já estávamos atrasadas. Vesti aquela roupa fantástica e altamente moderna - já criavam um modelito mais aconchegante e menos humilhante não? - e 'bora lá colocar o cateter. Já fui operada duas vezes, mas já não me lembrava do quão horrível era colocar o dito. E pior do que colocar um cateter...  É colocar dois! Porquê dois? Pelos vistos os capilares das minhas veias da mão direita são demasiado finos... O soro não passava. 'Bora lá aplicar o cateter na segunda mão. Já vos disse que estávamos com pressa certo? Pois... Fantástico...! Nada doloroso... Nada! 

 

Cateter aplicado... Lá vou eu na maca para o bloco. Um frio do caraças... Chego ao bloco:" Esta é a paciente da ginecologia?"

 

Alto lá. Para tudo. Até me levantei! "Otorrino! A minha operação é ao nariz!". Pediram desculpa e lá me esclareceram que estavam à espera de uma paciente que ainda não tinha aparecido, e que era da ginecologia. Comecei a antever chegar do recobro com um penso na barriga em vez de no nariz, confesso. Eu, que já estava pouco nervosa! 

 

Eis que encontro a primeira pessoa altamente preocupada comigo e me põe uma manta aquecida em cima de mim. Que momento fantástico, que levarei para sempre no coração. Senti que podia dormir uma sestinha naquele momento  até porque a coisa ainda podia demorar porque o meu cirurgião ainda não tinha chegado. Comecei por fechar um pouquinho os olhos... Mas eis que as pessoas foram chegando, e cada pessoa que chegava me fazia as mesmas perguntas: nome, data de nascimento, o que estava ali a fazer e eventuais alergias a medicamentos. Se vos disser que passaram por ali umas 20 pessoas diferentes não estou a exagerar. Tantas vezes respondi às mesmas perguntas que comecei a duvidar da minha identidade... De quem eu era, do que estava ali a fazer e quase senti uma certa vontade de bem, obrigada por tudo mas eu vou andando... Mas entretanto o cirurgião chegou. Pergunta-me se estou bem disposta - como se fosse possível estar bem disposta à porta de um bloco operatório, com umas cuecas descartáveis e uma bata azul onde se viam as minhas mamocas todas sem dificuldade - respondi que sim - dizer que não implicaria uma conversa que eu não iria querer - e lá fui levada para o bloco.

 

Já tinha visto nos filmes aquelas máscaras que nos adormecem, mas quando fui operada anteriormente não tinha sido assim. Colocaram-me a máscara, disseram-me para respirar fundo e quando estava quase, quase a perguntar onde é que poderia arranjar aquilo lá para casa... Adormeci! 

 

Acordei umas horas mais tarde graças a uma máquina que me registava as tensões de 15 em 15 minutos e que sempre que estava quase quase a adormecer me acordava. Ainda não tinha percebido muito bem o que me tinha acontecido, mas senti-me violentada por um elefante com excesso de peso... Falaram para mim para ver como estava,  e eu que poderia ter mil e uma perguntas, a única que me ocorreu foi: "posso pôr vaselina nos lábios quando for para cima?" e não vos minto, foi a primeira coisa que pedi à minha mãe assim que fui para o quarto, não imaginam a miséria dos meus lábios. 

 

E pronto, é isto, sabem que falar de coisas sérias com a seriedade que os assuntos implicam, não é comigo. Por isso se querem saber como correu o pós-operatório fiquem desse lado, tentarei contar o pós-operatório com a mesma descontração, apesar de neste momento só ter vontade de chorar quando me lembro. 

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Mula 24.01.2019

    Na realidade e se pensarmos bem, todas deveriam de ser

    (Mas tendo em conta que fui operada ao nariz e que apesar de ser pequena ainda fica bastante distante do meu rabo.... bem que podiam deixar ir com umas cuequinhas mais decentes)
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.