Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

"O que aprendemos com os gatos"

18187926_0OwSB.jpeg.jpg

 

Por vezes quando nada tenho para fazer, vou passear até às livrarias mais próximas, em busca de algo novo que me possa interessar ler. E ontem foi assim. Numa visita à Bertrand, vi um pequeno livro de capa monocromática. Não sei se o que me chamou a atenção foi o título - O que aprendemos com os gatos -, ou simplesmente a imagem de fundo - uma lateral de um focinho de gato olhando atentamente para algo. Folheei delicadamente, li alguns excertos e lá acabei por comprar.

 

A caminho casa, e enquanto esperava pelo comboio decidi começar a ler o meu pequeno novo livro, que se iniciava com um belo e triste poema de Esteban Villegas:

 

 

A um cavalheiro que chorou com a esposa uma pequena perda

 

Passaram pelas nossas vidas cautelosos,
como quem anda sobre almofadas de algodão,
capazes de andar sobre vidro sem o partir,
de roçar um copo sem derramar uma só gota.

Sabem escolher, no verão, a sobra mais fresca
e, no inverno, o calor dos nossos corpos adormecidos.

Caminhavam pela casa semeando uma esteira
de inapreensíveis fios de ouro ou madrepérola.

Quantas vezes nos roubaram o lugar,
que era também o seu preferido,
e nós, reis destronados e enormes,
fomos acomodar-nos - por assim dizer -
no mais incómodo assento da casa.

Quantas vezes sossegaram a nossa angústia
com esse rumor que lhes vibra na garganta.

Demos-lhes tudo o que quiseram,
e eles aceitaram
com a majestade de quem nada pediu.

E, por vezes, assaltava-nos a estranheza
de termos aberto a casa a uma ferra terrível,
uma fera munida de garras e de dentes que,
com uma língua de lixa, alisa a sua seda ao sol.

Por fim morreram:
apenas um suspiro,
e deles restou um farrapo de pele macia, quase nada,
sigilosos e dignos
na morte como na vida.

Assim foram os nossos gatos,
e mesmo agora,
muitos meses depois,
de vez em quando
encontramos
um pequeno pelo de seda nas nossas roupas.

 

Há muito tempo que temo que os meus gatos não sejam eternos e que tenha de os ver partir um dia. O sentimento que fica, temo que poucos compreenderão. Um sentimento de impotência, de quem nada pode fazer para mudar a natureza. Nenhuma mãe nasceu para ver partir os seus filhos, e é assim que sinto os meus gatos - como se fossem os meus filhos. O meu gato mais velho, o Mimo, faz, este ano, 7 anos. Dorme, há 7 anos comigo, recebe-me todos os dias na porta desde então. Quando estou doente, é ele que fica ali comigo, horas a fio a cuidar de mim, com uma sensibilidade que só a ele pertence - sabe que nesses dias tem de ficar mais sossegadito, porque preciso de dormir muito, de dormir muito como um gato -, teria dado um bom pai, se tivessemos encontrado uma gata à sua altura.

 

Este livro, no sentido da morte, não me trouxe nada de novo, às vezes penso nisso, ainda que tente não pensar. O que este livro me trouxe de novo, foi percepção que mesmo quando eles já cá não estiverem, irão existir sinais deles por todo o lado. As marcas dos arranhões na mobília, os pelos entranhados nos texteis, a lembrança dos seus locais preferidos, os seus brinquedos e os não-brinquedos com que eles insistem em brincar... E é nesta altura que penso que não deveria nunca ter animais, por forma a evitar a perda. Essa destruidora perda. Nisto os gatos são mais simples, gostava de simplesmente viver sem pensar no futuro, mas como é descrito no livro, nós humanos sofremos de uma doença degenerativa chamada razão e

"o sintoma mais grave da doença: a mania de planear o futuro, de imaginar o que acontecerá (e que talvez nunca aconteça), o que provoca nos humanos um sério défice de atenção relativamente ao presente; ao pensarem no que virá, mesmo que talvez não venha, os humanos adultos acabam por revelar-se incapazes de compreender o que os rodeia. (...) Arrastam-se pela vida qual sonâmbulos, absortos nos seus pensamentos e isolados da realidade."

 

E é realidade, como masoquistas impiedosos que somos, vamos vivendo com a sensação de que vamos sofrer, seja hoje, amanhã, ou daqui a muitos anos, e acabamos por sofrer todos os dias. Este livro fez-me sofrer agora, com uma dor que sofrirei, daqui a muitos, muitos anos - assim espero.

 

Mas cambiando de assunto então, o que aprendemos com os gatos?

Eu aprendi a cuidar do outro, aprendi a dividir o meu espaço e a ceder. Aprendi que o mais importante é termos personalidade própria e que é isso que nos torna especiais. Aprendi que se os meus gatos conseguem ser por vezes pain in the ass e eu os amo, então eu também posso ser, que quem gostar verdadeiramente de mim também me irá aceitar e amar. Mas uma coisa é certa: eu com os meus gatos, aprendo todos os dias, e espero continuar a aprender por muitos e longos anos.

 

A quem gostar de ler, e a quem gostar de gatos... aconselho vivamente, comprem o livro, é pequeno, lê-se muito rápido e até é baratinho.

 

See you*

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.