Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Marcas, respeito e outras coisas do género

 

Longe vai o tempo em que o cliente tinha sempre razão - ainda que não a tivesse realmente. Longe vai o tempo em que as marcas moviam mundos e fundos para agradar um cliente. Belos tempos esses, mas agora já não é assim.

 

Acredito que pague o justo pelo pecador, que muita gente se aproveitou dessa fonte esgotável de amor pelo cliente, mas sinto os tempos a mudarem. E obviamente não é para melhor.

 

Obviamente o objetivo sempre foi o lucro, ainda o é e sempre assim o será até porque as marcas não são - nem têm de o ser - a Santa Casa da Misericórdia, e têm um propósito, que é fazer dinheiro à custa da dependência dos seus clientes. Até aqui nada de errado, sinceramente. Mas no meio de todo este esfregar de mãos há atualmente uma grande diferença, é que antigamente para além do objetivo final - fazer dinheiro - tentava-se a todo o custo a fidelização do cliente, quer através de um atendimento atencioso, quer através de um sistema de pós-venda competente capaz de nos apaziguar a alma. Já não é assim.

 

Exemplificando.

 

Comprei um portátil novo, visto que o meu anterior já tinha muitos anos e o bicho precisava mesmo da reforma. Comprei uma marca que nunca tinha utilizado, um Lenovo. Gostei das características, pareceu-me uma boa relação qualidade-preço e trouxe o bicho para casa. Eis que chego a casa e o cabo do carregador é... como vos dizer: minúsculo! É simplesmente minúsculo. Posso dizer-vos que já tive um carregador de telemóvel mais comprido que este carregador de computador.

 

Tratei de ligar para a Lenovo para verificar a possibilidade de alterar este pormenor horrível sobre a minha compra - eu já tive tantos computadores, todos eles com cabos de tamanho normal que nunca imaginei que isto podia existir - e tentar que me efetuassem a troca por um cabo de tamanho regular - é que nem estou a pedir mais, só estou a pedir o normal - eis que me disseram que nada podiam fazer. Insisto, indico que de outra forma terei de proceder à devolução do computador e eis que acrescentam, e passo a citar "lamentamos que o nosso produto não tenha ido de encontro às suas expectativas" e por outras palavras bonitas disseram que se estavam a borrifar para mim e para o meu problema.

 

E é assim que uma marca simplesmente se arrisca a perder um cliente, apenas por um pormenor de um cabo. Preferem perder muito dinheiro em troca de um valor pequeno. Atenção que nem me propuseram adquirir um cabo mais comprido, nada, apenas que não poderia fazer nada, porque não haveria nada a fazer.

 

Fiquei chocada. Fui ao portal da queixa e verifiquei que a taxa de resposta da Lenovo no portal da queixa é quase 0. Assim como a taxa de resposta da HP, assim como a taxa de resposta de tantas outras marcas de tecnologia.

 

Percebi assim, que contrariamente ao que acontecia anteriormente que as marcas se estão totalmente a borrifar para o cliente. Acredito que tenham percebido que conseguem manter os lucros mesmo diminuindo nos custos do pós-venda. O mesmo já tinha percebido com a MEO e agora olho à minha volta e percebo que agora raras são as empresas que se preocupam realmente com as necessidades dos seus clientes...

 

E esta hein?

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Mula 27.12.2017

    Hmm... Obrigada. Estou a efetuar uma nova tentativa com a Lenovo da forma que a Purpurina sugeriu e se for novamente negativa, logo te digo todas as condições do carregador, e logo vemos isso. O meu pc estava velhinho, e nem era pelo disco, era mesmo pela rapidez que era 0... Mas também já tinha quase 7 anos, já estava obsoleto. Assim olha, fiz uma pessoa feliz neste Natal, e eu fiquei com um mais moderno para mim.
  • Comentar:

    CorretorMais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.