Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Livro: O Bibliotecário de Paris de Mark Pryor

Ofereci o livro O Bibliotecário de Paris de Mark Pryor a um amigo mas a verdade é que fiquei tão curiosa, mas tão curiosa - como sabem, adoro a temática da Segunda Guerra Mundial - que tive mesmo de o ler. Não quero já ser desmancha prazeres mas... Foi um livro que me dececionou.

 

 

Quem leu O Livreiro, já conhece as personagens - não li mas sei que o Tom e Hugo estão de volta - e no caso d'O Bibliotecário de Paris a história inicia-se com a morte de Paul Rogers, diretor da Biblioteca Americana de Paris, aparentemente devido a causas naturais, apesar do seu amigo Hugo Marston - responsável pela segurança da Embaixada dos EUA em Paris - achar a morte de Paul estranha. Tudo apontava para uma falha cardíaca, mas quando a viúva também aparece morta na banheira de sua casa, aparentemente por suicídio, a trama complica-se e é aberta uma investigação. Por esta altura, duas amigas e jornalistas de Martson chegam a Paris para investigar uma ex-atriz famosa dos anos 40 que julgam ter sido espia durante a II Guerra Mundial a favor da resistência e havia relatos de que tinha morto um oficial da Gestapo com um punhal. Hugo Marston acredita que as duas histórias podem estar relacionadas e inicia uma busca incansável para descobrir quem matou o amigo e porquê.

 

Antes de mais dizer-vos o motivo da minha desilusão: É só um policial e não é, de todo, um livro sobre a II Guerra Mundial.

 

Spoiler alert!!!!!!!!!!

As duas histórias estão longe de se relacionarem, e o final é tão fora de contexto que não percebi a ideia do autor. Basicamente há duas histórias paralelas, uma que se entende, que no final tem uma explicação, e outra - a que fala sobre a atriz que pode ter sido espia - que afinal não nos leva a lado nenhum e é só para entreter e confundir o leitor.

 

O livro lê-se muito bem, li-o em duas noites, mas não me cativou tendo em conta que esperava um livro sobre a II Guerra Mundial e tal não se verificou. Ao longo do livro encontramos muitos diálogos despropositados, tem muita palha para encher chouriços muitas frases e diálogos para encher páginas que nada têm que ver com a história em si - e isso enerva-me, ó se me enerva - e o assassino é - pelo menos para mim foi - óbvio desde o início, apesar do motivo ser totalmente surpreendente. 

 

É um bom policial, não digo que não o é, mas é só isso. Não é um livro histórico - ainda que tenham tentado sem sucesso que o fosse - não é um livro de crimes de guerra - apesar de terem tentado sem sucesso que o fosse - nem é um livro sobre livros - ainda que tenham tentado sem sucesso que o fosse. É certo que se passa numa biblioteca, é certo que o Paul estava a escrever um livro - de ficção científica, é que até este elemento nada tem que ver com a história - e é certo que se fala de uma coleção de livros que pode conter uma coleção secreta de crimes de guerra - mas que nunca se verifica e que acaba por se perder no vazio. É por isso só um livro sobre um crime, e sobre o desvendar desse crime, e aí não é mau.

 

O que me revolta no livro é que o considero de publicidade enganosa. Não é um livro sobre o que diz ser. À parte disso, não é mau, é um livro que se lê bem, que entretém, que não maça. Mas no entanto, acho que a trama tinha todos os elementos para ser um grande livro e tem uma capa lindíssima que atrai, mas que no fim, na minha opinião claro, acabou por ser muito mal concretizado, para além de que - e isso o autor não tem culpa mas revolta-se-me as entranhas todas - a tradução/edição estava cheia de erros ortográficos.

 

Fiquei zangada, confesso! Eu que até tinha alguma curiosidade com O Livreiro agora acho que não o irei ler.

 

Boas leituras.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.