Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Isso foi falta de porrada quando era pequenina...

Dizia-me a senhora da cantina! Será?

 

 

 

Trabalho perto de uma faculdade e como a cantina é aberta ao público e tem comida saborosa costumo ir lá almoçar quando em dias de preguiça não levo marmita. Ontem foi um desses dias.

 

As senhoras de lá, estão claramente habituadas a lidar com crianças, sim que apesar daquilo ser uma universidade basta 20 minutos - talvez nem tanto - naquele espaço para perceber que os jovens que ali frequentam de adultos têm muito pouco. Acreditem, já vi uma matulona a fazer uma birra por causa de um donut... Enfim, adiante.

 

Pedi uma sopa - que agora é sopinha todos os dias, viva o inverno - e quando a senhora diz que tem feijão eu torci o nariz. A verdade é que vocês sabem que eu gosto de tudo - das gordices ao saudável - mas feijão, grão e afins, eu não como, não consigo comer. É algo que não me passa da garganta e nem vos sei explicar porquê, porque não tem a ver com o sabor, mas sim com a textura.

 

"Não gosta de feijão é?" diz-me a senhora. Explico-lhe que não, que gosto de muita coisa - de quase tudo infelizmente - mas que feijão não fazia parte da lista, mas expliquei-lhe que não havia problema, que eu sabia apartar os feijões da colher, não seria por isso que não ia comer a sopa.

 

"Tive o cuidado de não lhe tirar com feijão" disse-me, e a verdade é que em toda a tigela apenas dois feijões vermelhões apareceram. Agradeci. Logo acrescentou: "sabe que isso foi falta de porrada quando era pequenina!" expliquei-lhe, tentei na realidade e em vão, que não era verdade que a minha mãe tinha feito de tudo, mas sem sucesso. Mas a senhora não se convenceu e voltou a repetir que com porrada na idade certa eu hoje em dia comeria feijões. Encolhi os ombros e segui para a minha mesa.

 

Ora vejamos, dissecando um pouco o tema. A minha relação com os feijões é especial, dizer que não gosto é pouco. Ainda hoje se comer um feijão eu vomito - se tiver de comer grão de bico consigo, apenas faço cara feia, mas consigo - ou seja, é o meu corpo que rejeita totalmente aquela coisa pequena e empapada - curiosamente consigo comer feijão frade - por isso não creio que tenha alguma coisa que ver com a educação que me foi dada, nem tão pouco com porrada ou falta dela.

 

Posto isto, questiono-vos: Não temos direito a não gostar de determinados alimentos? Será que foi falta de porrada, de educação, ou do que quer que seja? Não creio.

 

A verdade é que devemos insistir com as crianças, e não devemos deixar de lhes dar um alimento só porque à primeira vez fez má cara ou fez birra. Mas acho que se à terceira, à quarta ou à quinta a reação da criança for a mesma, simplesmente devemos aceitar que não gosta, que rejeita e não mais bater na mesma tecla.

 

Estarei errada?

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Mula 20.12.2017

    A nata também acho nojenta! Felizmente o aquecer o leite no microondas veio eliminar isso.

    Sim, também é verdade que os gostos mudam. Eu não gostava muito de sopa e de legumes e agora adoro. Agora não se deve obrigar a comer só porque achamos que os outros têm de gostar.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.