Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Interpretação de Músicas - Man! I Feel Like A Woman! de Shania Twain

E a pedido de muitas famílias, retomo a rubrica semanal de interpretação de músicas que tinha abandonado em meados de Setembro. Mentira, só houve uma pessoa singular, que referiu assim muito ligeiramente a coisa, mas... a Mula também já tinha saudades de brincar com algumas músicas... errrr.... interpretar, queria eu dizer... interpretar algumas músicas, que isto aqui é sério, e só se contam histórias sérias! Então a FatiaMor, lançou-me o desafio, para a Mula interpretar esta bela música de 1997 da Shania Twain, e ainda está para nascer o dia em que a Mula recusa desafios, ainda por cima musicais! Minha querida Fatia, esta é para ti! [Agora é a altura que dizes que te interpretei mal, e que querias era que eu "botasse" a música nos #tesourinhos, e coiso e tal! Mas vai ser aqui... e agora não tem volta a dar!]

 

 

Estão preparados? Cá vamos nós... aviso que é uma viagem sem volta e nunca mais conseguirão ouvir a música da mesma forma...

 

 

Man! I Feel Like A Woman! de Shania Twain

 

Começando pelo início, a música ainda que cantada por uma mulher, não tem como personagem principal, verdadeiramente uma mulher, só que não nos podemos esquecer, que quando esta começou a ser ouvida nas rádios a transexualidade e a travestilidade ainda era um tema, relativamente tabu e então foi, só e apenas por isso, cantada e interpretada por uma mulher... Porque, ora atentem na estrofe que diz "Man! I feel like a woman!", qual seria a necessidade de uma já actual mulher querer gritar ao mundo que se sente mulher? Ah pois... nunca tinham pensado nisso!... É verdade a música retrata a vida de um homem que sofreu recentemente uma transformação sexual e é actualmente mulher.

 

Continuando... e recomeçando:

 

Let's go girls! Come on.

 

Verifica-se aqui uma certa insistência com as suas actuais semelhantes. Atentem que o sujeito - vamos chamar-lhe para facilitar as coisas... Kelly - chama as suas amigas, e é necessário insistir através do "come on", o que pode indicar alguma surpresa com a transformação e ainda alguma dificuldade de aceitação. Mas os amigos servem mesmo para todas as eventualidades por isso, as amigas lá vão ajudar a Kelly a ter uma noite de arromba para que se integre rapidamente na comunidade feminina.



I'm going out tonight-I'm feelin' alright / Gonna let it all hang out / Wanna make some noise-really raise my voice / Yeah, I wanna scream and shout / No inhibitions-make no conditions / Get a little outta line / I ain't gonna act politically correct /I only wanna have a good time

Para corroborar a ideia de que a cirurgia foi relativamente recente, a Kelly indica que até já se está a sentir bem, que ainda tem algumas dores, mas que vai colocar essas dores para trás das costas ["Gonna let it all hang out"] e tentar divertir-se. Toda a gente sabe que os homens também gritam, mas que os gritinhos de uma mulher são bem diferentes - normalmente mais irritantes - e a Kelly quer tudo o que tem direito e que sentiu falta todos estes anos, e portanto, vai gritar como fazem as gajas histéricas, qual aula de zumba, qual quê. Ela refere ainda que tudo pode acontecer, e tendo em conta que ninguém sabe - tirando as amigas - que já foi homem, porque a operação até foi um sucesso e ficou uma mulher toda perfeitinha, que se encontrar alguém com quem pinar, não vai ser politicamente correcta e não vai avisar que coiso e tal já foi homem. O que eu até acho que fez muito bem, porque as pessoas quando assumem um novo modo de vida, têm de desligar o passado. [Mas agora cala-te Mula, que estás aqui para contar o factos e não para emitir opinião. Peço desculpa, sim?]



The best thing about being a woman / Is the prerogative to have a little fun

 

Não que sejam necessárias outras provas, porque a Mula não tem dúvidas... Mas a Kelly dá aqui outra prova de que já foi homem, uma vez que só quem passa pelos dois sexos pode perceber o que é melhor num e melhor noutro, e o seu novo eu não tem dúvidas, e tendo em conta a experiência que esta tem, a melhor coisa de ser mulher é a diversão. Claro... normalmente os homens não estão a dançar numa discoteca com um bando de gajas a babar para cima deles... e o contrário já acontece, por isso, será realmente mais divertido e uma mais valia.

 

Só que... há um pequeno problema, e há instintos que podem ser difíceis de controlar, ora atentemos na seguinte estrofe:


Oh, oh, oh, go totally crazy-forget I'm a lady / Men's shirts-short skirts / Oh, oh, oh, really go wild-yeah, doin' it in style / Oh, oh, oh, get in the action-feel the attraction / Color my hair-do what I dare / Oh, oh, oh, I wanna be free-yeah, to feel the way I feel / Man! I feel like a woman!

 

Na loucura, e provavelmente no álcool também, a Kelly esquece-se que é actualmente mulher e começa a ser mulher de acordo com a visão masculina... E qual é a visão masculina da mulher: completamente objetificada. Mentira? Ora vejamos: veste logo mini-saia e camisas de homem, pinta o cabelo,... sou seja, vai para a discoteca vestida de colegial, e quem melhor que uma mulher para saber que os homens gostam de colegiais? Os próprios homens está claro... E pronto, é esta a visão que a Kelly enquanto homem tinha das mulheres, e para se sentir verdadeiramente uma mulher teve que se vestir assim ["I wanna be free-yeah, to feel the way I feel"], o que significa que existe ainda um certo trabalho da imagem da mulher que deve ser trabalhada e que não foi modificada com a alteração do sexo. Termina o refrão, reforçando o quão se sente mulher!


The girls need a break-tonight we're gonna take / The chance to get out on the town / We don't need romance-we only wanna dance / We're gonna let our hair hang down

A Kelly fica também a sentir-se um pouco a brilhar demais na festa... e compreende que as amigas não estavam preparadas para que lhes tirassem o protagonismo, e para que elas não fiquem com inveja, e/ou chateadas, decidiu ainda não se envolver com ninguém nessa noite, querendo, para já dançar, e depois quem sabe um dia mais tarde envolver-se e apaixonar-se, com homens.



I get totally crazy / Can you feel it / Come, come, come on baby / I feellike a woman

 

Termina a música, a reforçar que sente louca, e que por se sentir tão louca, diz que se sente mulher. O que revela ainda um outro estereótipo que tem face às mulheres: que são loucas.

 

No fundo, isto tudo não passou de um sonho que a Kelly que afinal se chama Zé, teve numa noite de copos com os amigos, dizendo que se fosse gaja que ia ser assim, andar sempre de mini saia, a provocar os outros e a agir como uma louca...

 

E é assim que os homens nos vêm.... enfim! -_-'

 

E pronto... esta rubrica que era semanal, será agora, só e apenas quando a Mula quiser...  É que parece que não, isto desgasta uma pessoa, são emoções demasiado fortes que estas canções retratam e nem sempre a Mula está preparada para explanar a coisa... Por isso, se gostaram... é uma questão de irem passando e verem quando há mais.

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.