Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Interpretação de Músicas - Boa noite Cinderela dos Villa Baggage

Em tempos fizeram-me uma das perguntas mais difíceis de sempre, à qual eu achava que sabia a resposta, mas que afinal não:

 

Achas que deve existir limites para a arte?

 

Respondi prontamente que não, que a arte deveria de ser livre, e que quando a arte é limitada, seja legalmente seja socialmente, é censura, e eu sou contra a censura. No entanto, logo após a minha pronta resposta vieram-me complicar a vida:

 

- Então és a favor de livros ou esculturas, que descrevam e promovam actos violentos como a pedofilia? Pois claro que sou contra!

 

- És a favor de músicas machistas que incitem a violência dos homens sobre as mulheres? Óbvio que sou contra!

 

- Tu que gostas de graffities, és então a favor de graffities racistas que exprimam uma opinião negativa contra diferentes raças? Não sou não senhora!

 

- Então e aqueles quadros belíssimos em que guerreiros se defrontam e se matam? Não é arte? É pois, o quadro The Triumph of Death de Pieter Bruegel é arte... Então mas não é bárbaro? É pois...

 

Pois que me lixaram tudo o que eu achava sobre o que deve ser a arte, pois que agora já não acho que a arte deva ser assim tão livre, mas ainda assim, admito o perigo que é censurar um artista. Porque por exemplo, e no caso de um pedófilo, o expor dos seus desejos em arte pode ser uma forma de não consumar, pelo poder libertador que pode originar a escrita, a escultura, a música. Mas, por outro lado, pode soar a promoção de actos bárbaros. Pois olhem não sei. A verdade é que há muita coisa com a qual eu não concordo, e que acabo por nem considerar arte. E uns dias mais tarde, encontrei por acaso esta música que vou agora analisar, e é horrenda e são este tipo de músicas, por exemplo, que eu acho que não deveriam de ser criadas. Para mim não é arte, não é música, é só... parvo! Vejamos porquê:

 

Boa noite Cinderela - Villa Baggage 

 

 

 

Antes de mais, esclarecer-vos que no Brasil o Boa noite Cinderela é o acto de drogar alguém com drogas que permitam deixar os indivíduos em estado inconsciente, como é o caso da GHB - ácido gama-hidroxibutírico, a droga da violação - para as violar, roubar e afins. Assim será certamente muito mais fácil compreenderem a seguinte música.

 

 

Sabe quem sou eu?
Sou o lobo mal da história da chapeuzinho, que veio pra te pegar

 

Ora, acho que não é segredo para ninguém que nas histórias infantis, as bruxas, os lobos maus, e os ogres, pretendem representar perigos reais para as crianças, como tal, facilmente lendo a história da Capuchinho Vermelho, percebemos que o Lobo Mau é nada mais nada menos que um pedófilo, um predador sexual, que quer "comer" a menina e que a coloca em perigo. Portanto, nesta música, o personagem principal define-se como sendo um predador sexual, logo à partida.


Ontem era eu, que tava sentado lá no cantinho
Com os sete anões, tomando uma no bar
O dengoso e o zangado, falou pra tomar cuidado
Que quando o cara cai na dela, fica apaixonado
O soneca avisou, que o príncipe já rodou!

 

Nesta estrofe percebemos que o crime que vamos de seguida ver, é premeditado, que ele já andava a seguir a miúda há algum tempo. Para além disso, ainda é uma música altamente sexista, porque com a expressão "o príncipe já rodou!" trata a miúda, como se de um objecto se tratasse.

 

E o caminho pra ele tá liberado
Vai atacar, e a maçã ele pegou com a bruxa má
Te envenenar, deu a mordida agora é só esperar

 

Percebe-se assim com estes versos que ele já a drogou e agora só tem de esperar que a droga faça efeito.

 

Boa noite cinderela
Eu já tó indo pra cima dela
Quando ela acordar imagina a festa
O castelo vai desmoronar
"Nóis" vai se acabar

 

Desculpa princesa,
Mais eu precisava bota você pra dormir

 

Sinceramente, acho que esta estrofe não é necessário explicar pois não? Refere-se ao acto da violação em si, com a moça inconsciente.

 

Sério que uma música destas é cantada no Brasil como se fosse uma música popular banalíssima, ao estilo do "E nós pimba, e nós pimba" do Emanuel? É que pensando bem em tudo isto, não sei se me choca mais a letra, se o facto de uma mulher fazer parte da banda e cantar também, ou se o facto da música, ao nível do ritmo ser daquelas que se cola à cabeça muito facilmente. Não sou de teorias da conspiração, nem daquelas que acha que as músicas têm mensagens ocultas com um propósito, mas quanto a esta, não sei não... [Bem uma coisa é certa, não tem nada de oculto, está até bem exposta...]

 

É preciso ter noção que este tipo de músicas são populares entre os jovens, e que a promoção de comportamentos violentos deveria de ser crime. Por isso, e posto isto, não, acho que a arte -  que nem sempre o é - deve ser limitada! E os limites devem ser os da razoabilidade.

 

E vocês, acham que a arte deve ou não ter limites?

 

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.