Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Hoje estou numa de psicanálise... parva, obviamente! #2

Na última psicanálise parva que eu realizei, psicanalisei os clientes, consoante se relacionavam com os produtos que compram. Hoje, decidi analisar os clientes consoante a forma de entrar na loja. Vocês não sabem, mas a forma como caminham e entram nos estabelecimentos quer dizer muito sobre vocês.

 

Diz-me como entras na loja, dir-te-ei quem és.

 

Vamos lá conhecer os espécimes?

 

484615_340709506014039_1945804773_n1.jpg

 

 

➷ Os que entram mudos e saem calados.

Durante algum tempo, na altura em que ainda tinha uma réstia de inocência julguei que estes clientes não eram mal educados mas sim surdos-mudos. Com o tempo fui percebendo que não, que são apenas tímidos, quando entram mudos e saem calados mas que sorriem; ou que sofrem da PDM, quando entram mudos, saem calados, que após o nosso bom dia/tarde/noite viram a cara e fingem não ouvir.

 

No caso dos portadores da PDM, tenho a dizer-vos que são pessoas com uma vida demasiado rotineira e desinteressante e evitam o contacto oral para que ninguém perceba do quão enfadonhos são. Já foram tantas vezes ignorados, que decidiram assumir o controlo da sua vida e passarem a ser eles a ignorar. Uma espécie de psicologia invertida.

 

Os primeiros.... Pronto, são apenas coninhas tímidos, acontece, e temos sempre esperança que evoluam com o tempo. Às vezes apenas evoluem para a segunda forma.

 

 

➷ Os que entram apressados direitos ao balcão, ainda não viram de que é que se trata a loja mas já estão a perguntar se temos determinado produto.

Este é um espécime bastante abundante. Sabem aquelas pessoas que nunca encontram nada em casa, perguntam à mãe, à vizinha e até ao cão onde está A, B e C, a mãe, a vizinha e até o cão respondem "na gaveta de baixo" e dizem prontamente "não está não!" e afinal está. Ou seja em casa, toda a gente sabe onde estão as coisas menos estas pessoas. Eis o espécime que entra apressado a perguntar se temos A, B ou C. Acontece que não lhe serve de nada dar uma volta pela loja e procurar o que pretende, porque nunca vai encontrar e sabem disso. É por isso uma pessoa extremamente bem ponderada e com uma noção de si muito bem formada. É só um espécie altamente despistado, sem que isso signifique a presença de miopia ou estigmatismo.

 

 

➷ Os que vão entrando e já vão perguntando os preços ainda antes de chegarem aos produtos.

Normalmente saem da loja sem comprar nada. São os também chamados de pesquisadores. Não no sentido de querem fazer estudos de mercado acerca dos preços dos produtos, mas para perceber até que ponto as pessoas conhecem os produtos que têm na loja e seus respetivos preços. São altamente irritantes e são os mesmos que no carro vão perguntando: "já chegamos? olha... já chegamos? Olha... ainda falta muito?" A verdade é que são habitualmente desocupados e têm como passatempo irritar os outros, como já perderam todos os seus amigos, vêm para as lojas irritar os lojistas. Este espécime tem ainda o péssimo hábito de perguntar independentemente da pessoa estar disponível ou não, por vezes os lojistas estão ocupados com outros clientes mas eles sobrepõe a sua voz. Tudo isto aponta para uma grande necessidade de atenção. Fazem-no por quererem ser o centro das atenção, habitualmente afastam ainda mais quem os rodeia. Torna-se por isso num ciclo vicioso.

 

 

➷ Os que entram a dizer que "não tem".

São os pessimistas, os negativistas. Estão tão habituados a que nunca lhe satisfaçam devidamente as necessidades que já assumem à partida que assim continuará a ser, e por isso, pela falta de hábito, quando dizemos que temos o que procuram, este espécime arranja sempre um defeito um "mas..." que faz com que nunca seja o que efetivamente procura. É um espécie com uma grande deficiência de autoestima e constantemente se boicota, a si e aos outros, porque recusa a assumir que é ele que tem um problema, mas que efetivamente o universo conspira contra os seres humanos. Devemos, para o bem da humanidade, contrariar este espécime sempre que possível, por forma a criar defesas e a quebrar com ideias pré-concebidas acerca de si e do mundo.

 

 

➷ Os que entram de sorriso no rosto perguntando como nós estamos querendo efetivamente ouvir uma resposta.

Fujam destes clientes como o diabo foge da cruz. Ficarão na vossa loja eternamente - ou só até a amiga/amigo chegar - porque são os saciáveis vulgos psicólogos sociais. Estes espécimes não vêm comprar o que quer que seja, vêm apenas fazer serviço social com os lojistas que se encontram sozinhos e abandonados nas lojas. Normalmente quando existem clientes na loja este espécime não entra, oferecendo os seus préstimos a outros lados. Estes psicólogos sociais são pessoas muito bem resolvidas, no entanto sentem que precisam de fazer algo mais pelo mundo, resultando então no interesse súbito pela vida de outras pessoas. Se virem que os lojistas precisam mesmo desta ajuda prometem e voltar noutro dia -  e voltam mesmo - para falarem como é que a semana ocorreu.

 

 

➷ Os que entra, procuram o que querem, fazem as perguntas necessárias, pagam e saem sem serem excessivamente simpáticos, nem antipáticos.

São os chamados normais... não têm piada serem analisados.

 

 

Lojistas do meu coração: Conhecem outros espécimes que aqui não estejam retratados?

 

Até à próxima Psicanálise Parva!

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Mula 07.10.2016

    Tenho poucos clientes africanos. Os Sul Africanos são realmente doidos para comprar. Mas o meus clientes mais doidos são mesmo os Americanos. Não perguntam os preços de nada e é tudo compras por impulso!... Parecem doidos às compras às vezes, berram, riem-se, é a loucura!! ahahahahah
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.