Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Há trabalhos e trabalhos

Um dia destes tropecei por aí numa qualquer publicação que me fez refletir.

 

Dizem que devemos reclamar menos do nosso trabalho e agradecermos mais por termos um trabalho, seja ele qual for. Que devemos dar graças por termos a oportunidade de acordar diariamente com um propósito, enquanto muitos desgraçados acordam para folhear um jornal em busca de uma oportunidade.

 

Lamento. Não concordo! Não é possível agradecer sempre o facto de termos um trabalho.

 

Se é verdade que muita gente reclama de barriga cheia - confesso que tantas vezes reclamo de barriga cheia! -, verdade também é, que há muita gente com trabalhos com condições que não deveriam de ser legais, com horários que deveriam de ser proibidos e com ordenados que deveriam de ser considerados crime. Se é verdade que é à custa destes empregos de merda que pagam as contas, também é verdade que seria mais produtivo para a sociedade se fizessem parte das estatísticas do desemprego em vez de serem apenas uns desgraçados, mas empregados.

 

Que dizes, Mula?

 

Digo que se as pessoas não se sujeitassem - por desespero, claro -, a condições miseráveis, as condições melhorariam. O trabalho em si poderia continuar a ser horrível - há trabalhos que têm de ser feitos, independentemente de serem bons ou maus - mas se as condições melhorassem o trabalho em si seria atenuado. Sou da opinião que o que define um bom ou mau trabalho não é a tarefa, são as condições.

 

Falo-vos do meu caso pessoal. Eu não gosto do que faço. Não gosto. Sou boa no que faço apesar de tudo e considero-me competente e com perfil, mas não gosto do que faço. Não adianta estar aqui com mimimis que sabem que não gosto de histórias com floreados e borboletas cor-de-rosa a emergirem de um girassol. Não gosto. Ponto.

 

[E deixem-me continuar, antes que a malta que me acompanhou no último desemprego me caia em cima e me venha insultar.]

 

Apesar disto, gosto da empresa onde me insiro. E gosto dos meus colegas. E gosto das minhas condições de trabalho. E gosto do ambiente. E até gosto das minhas chefias. Isto faz o quê? Com que vá bem disposta trabalhar, com que encare o meu trabalho - sim aquele que não gosto - com um sorriso no rosto. Na realidade o que me rodeia acaba por fazer com que eu goste de ali estar, que é quase a mesma coisa de se gostar do que se faz. Não me custa nem um pouco acordar, levantar-me e ir para mais um dia - vá, quando chego a casa fora d'horas confesso que custa um pouquinho - e isto sim é que define bons e maus empregos, ou bons e maus trabalhos.

 

Claro que gostaria de ter um ordenado melhor, tarefas que me permitissem uma maior evolução e até, confesso, um AC só para mim, só para ter o prazer de o ver desligado o dia todo! Mas a verdade é que é muito mais do isto. Eu sim, agradeço diariamente por ter um trabalho e por poder acordar diariamente com um propósito - apesar de preferir, claramente, estar de férias - mas nem toda a gente tem a minha sorte. Por isso há mesmo muita gente que reclama com razão, e nem toda a gente pode agradecer o facto de ter um trabalho.

 

Mas já agora.... Que vos apraz dizer?

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.