Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Finalmente alguém se preocupa com a minha saúde...

Toda a minha vida pertenci ao mesmo centro de saúde, apesar de já ter andado de médico em médico, o centro de saúde era sempre o mesmo. Foi-me atribuída a minha médica de família há mais ou menos uns 10 anos, e desde há cinco anos, mais ou menos, que sofro horrores com a minha rinite crónica perene. São todos os dias do ano em que preciso de inalar drogas para respirar e - literalmente - não morrer durante o sono, porque eu não consigo respirar pela boca. Houve uma altura, antes de me serem receitados os inaladores que era obrigada a respirar pela boca e causou-me muitos problemas nos lábios e na garganta. Horrível. A verdade é que mesmo com os inaladores é um problema, muitas das vezes não durmo bem porque fico na mesma com o nariz tapado, tenho constantemente dores de cabeça, e sinto-me muitas das vezes cansada porque a verdade é que eu não respiro bem.

 

Por isso, há mais ou menos cinco anos que inalo cortisona, que vou intercalando com o vibrocil na altura das gripes e constipações. Sou uma drogada eu sei. Há cinco anos que a minha médica de família me receitava sem reservas cortisona.

 

Não achava perigoso, era a minha médica que me receitava, ela lá deveria de saber o que estava a fazer.

 

Uma vez fui comprar o meu inalador como era habitual e a menina da farmácia perguntou-me se já usava aquele fármaco há muito tempo. Respondi-lhe que já o usava há alguns anos e a menina mostrou-se chocada e explicou-me que eu deveria de arranjar alternativas. Teve a explicar-me que poderia ficar sem olfato, que é uma das consequências do uso continuado daquela droga. Concordei que efetivamente o meu olfato há muito tempo que não é o que era e fiquei a pensar nisto.

 

Fui à minha médica de família e tentei que ela me encaminhasse para as consultas de otorrino, ou algo do género, para tentarmos resolver este problema de uma vez por todas para não depender toda a vida da medicação. Fez de tudo para me dar a volta, receitou-me alguns exames e nada acontecia, e não me encaminhava. Dava-me a volta de tal maneira que eu nem insistia. Voltei a repetir o procedimento, voltei à consulta, pedi novamente P1 para o Hospital e uma vez mais saí de lá sem o dito e sem luz ao fundo do túnel.

 

Decidi mudar de médica e de centro de saúde, e como já conhecia a médica do meu marido e gostava bastante dela, nada como pedir-lhe que me aceitasse nas suas consultas. Aceitou-me sem problemas e esta semana foi a minha primeira consulta com ela, onde lhe expus todas as minhas questões. Pois que não foi preciso pedir nada: Hoje fui fazer as análises das alergias e assim que se descobrir a que é que eu sou alérgica sou imediatamente encaminhada para um alergologista - que palavrão - ou então um otorrino, caso o problema seja estrutural, para deixar de uma vez por todas as drogas e ganhar outra qualidade de vida. 

 

Até posso morrer enquanto espero por uma consulta no hospital - não seria a primeira, e certamente não seria a última - mas ao menos alguém se preocupou em ajudar-me já que aquela que esteve comigo anos e anos nunca o fez. Realmente não se deveria de ser médico por profissão, mas por vocação. Se todos os médicos o fossem não  pelo estatuto, não pelo ordenado, mas porque realmente se preocupam com a saúde pública, as coisas estariam muito diferentes neste país.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.