Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Dúvidas blogoexistênciais

(imagem retirada daqui)

 

 

Por vezes andando por aqui e por ali encontro publicações que me fazem questionar a minha presença por aqui.

 

Encontro textos que me fazem pensar na relevância do conteúdo, no porquê de alguém querer saber sobre isto e aquilo e acho estúpido, alguns conteúdos são bastante aborrecidos, outros são tão estúpidos que acabam por captar a minha atenção e acabam a divertir-me. Olho para os meus textos e encontro o mesmo: conteúdo que não faz sentido e que não entendo o porquê de alguém querer ler, coisas por vezes tão pessoais que não faz sentido despertar interesse. E vou sendo comentada e as visitas têm aumentado de mês para mês. E vejo essas mesmas publicações alheias igualmente ridículas e aparentemente desinteressantes a despertar a atenção de tanta gente, e a gerar comunicação e a gerar entretenimento. E dou por mim a divertir-me com essas publicações aparentemente aborrecidas. E percebo que tantas vezes as publicações mais sérias, mais informativas, mais aparentemente interessantes não recolhem tantas simpatias, tanto interesse, e tantas vezes quase não geram comunicação. Faz sentido? Não faz!

 

Pela lógica, qual o interesse que eu posso ter num dia-a-dia de alguém que não conheço e nada me diz? É só estúpido! Mas a verdade é que me interesso. Pela lógica, qual o interesse que alguém pode ter no meu dia-a-dia se nem me conhecem? É só estúpido! Mas a verdade é que há realmente quem se interesse, quem se preocupe e por outro lado eu sou também alguém que se interessa e se preocupa. Pela lógica, as pessoas deveriam interessar-se mais quando abordamos uma temática mais política, mais DIY, mais explicativa e ou educativa, mas a verdade é que nem sempre é assim.

 

Muito já se discutiu sobre os destaques do sapo, e acho que só agora percebo a lógica. Tantas vezes textos parvos, praticamente sem conteúdo e sem relevância são destacados... Mas no fundo é isso que as pessoas lêem e gostam de ler, em detrimento de viagens de sonho, de palestras sobre a vida marinha e afins.

 

E isto leva-me a questionar: O que é que eu procuro num blog? Não faço ideia... Fugir à realidade? Perceber que as pessoas são tão imperfeitas como eu? Perceber que alguém do outro lado do país padece dos mesmos medos, sentimentos e alegrias que eu? Talvez.

 

Devolvo-vos por isso a pergunta, para que me ajudem também a responder:

 

O que procuram vocês num blog?

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Mula 15.02.2018

    Bom dia Pedro,

    Na realidade não percebeu nada do que eu escrevi aqui em tom de desabafo...

    Mas sim, muitas das vezes o destacado é parvo, e algumas vezes o post destacado exigiu zero do blogger tendo em conta que por vezes os posts destacados são apenas uma daquelas imagens retiradas da net...

    Mas não era tão pouco isso a que me referia. Referia-me que desde sempre se reclamou da forma como os destaques são escolhidos porque tantas vezes são destacados posts pessoais em detrimento de publicações gerais, denominadas de interesse público, mas que não é isso que efetivamente interessa ao leitor de blogs. E eu, como leitora prefiro também ver destacada uma publicação sobre o medo do escuro de A ou de B, de uma pessoa que nem conheço do que o processo científico de selecção do café na Etiópia. Mas há muitas reclamações nesse sentido, de pessoas que escrevem publicações que implicam um certo conhecimento científico e implicam um maior esforço de escrita. Era a isso que me referia. Mas também não é isso que eu escolho ver, e daí a minha reflexão.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.