Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Desafio | Passa-Palavra #Água - Texto da Maria

A Mula, que é uma desnaturada, ainda não escreveu sobre a palavrinha da semana, mas deixo-vos com o texto da Maria, que está fantástico!

 

A ver se me inspiro!

 

_________________________________________

Tinha o corpo estendido, deitado de costas no sofá, um braço sobre o peito e o outro braço sobre a testa, de modo a tapar-lhe os olhos.

A música ambiente num sussurro, de uma daquelas rádios que de madrugada passavam músicas profundas, com significados que durante o dia não atingíamos por haver tanta distracção.

Everybody hurts, dos R.E.M.

Tão apropriado, "everybody hurts sometimes, everybody cries". A música de fundo para o rio de lágrimas que deslizavam dos seus olhos para se perderem dentro do encosto do sofá.

O sono há muitas horas disperso pela mágoa. Como podia ter estado tão alheado, ter sido tão cego? Todas as pistas à sua frente nos últimos meses, os atrasos mal explicados, os telefonemas em surdina. Só ele não tinha percebido.

E a rádio, parecia que estava de conluio, agora a passar Cry me a river na voz quente e sedosa de Diana Krall.

Não se lembrava de chorar, há anos que não acontecia, sempre tinha pensado que o faria quando visse o seu filho recém-nascido mas isso não tinha acontecido, agora entendia porquê já que naquela união apenas ele tinha sido honesto, sincero.

Chegara a casa dois dias antes do previsto depois de uma semana de trabalho em Berlim e com a ânsia de a ver decidira uma surpresa, entrar em casa em silêncio e envolvê-la nos seus braços,  passarem algum tempo só para eles sem mais ninguém, sem compromissos com amigos ou familiares. Ficar todo o fim-de-semana pela cama e pelo sofá, ler, ouvir música, os corpos encaixados um no outro. Precisava do seu cheiro e queria retornar aos tempos em que os olhares bastavam, a cumplicidade dos sentimentos tão claros, tão profundos.

Quanta mágoa podia uma pessoa suportar?

Sabia que aquela era a pior altura e que passado o choque da descoberta dos dois corpos entrelaçados na cama que devia ser sagrada... tinha sido uma dupla traição, neste momento nem sabia qual a que lhe custava mais, se a dela, com quem estava há apenas três anos, se a do seu irmão, que conhecia desde que tinha nascido, há trinta anos.

De quando em quando as letras das músicas a fazerem-se ouvir. I'll be needing stitches, o refrão de um cantor daqueles quase instantâneos. A música não o estava a ajudar, quase que o fazia afundar mais no desgosto ou era coincidência que naquela madrugada todas as canções pareciam saber o que ele estava a sofrer?

Nunca tinha pensado nisso mas era provável que houvesse uma canção para cada estado de espírito. E para quem tinha levado com um balde de água fria, não, com um mar revolto de infidelidade, aquelas vinham todas a calhar. 

 

_________________________________________

Desafio passa-palavra criado pela Mula e pela Mel. Todos os domingos e durante - para já - oito semanas, sairá uma palavra para vos inspirar a escrever sobre ela. Quem quiser é livre de se juntar a nós, sem compromissos ou prazos apertados. Escrevam, porque escrever liberta a alma. A quem participar nos seus blogs, aqui as meninas pedem apenas que nos identifiquem nas publicações, para podermos ir ler-vos e comentar-vos! Bom desafio a todos o que connosco embarcam.

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Mula 10.11.2020

    Está muito bem construído. Uma boa semana Bea.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.