Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Desafio de escrita dos pássaros #2 O amor e um estalo

 

Entrar na vida de uma pessoa é, entre muitas outras coisas, tirar-lhe espaço. Não é só tirar-lhe espaço do coração, que antes estava vazio e agora ocupado, mas é também tirar-lhe espaço das gavetas, das prateleiras da casa de banho, do balcão da cozinha...

 

Quem vê de fora parece que entrei de mansinho na vida do moço. Talvez tenha sido de mansinho... Foi aos poucos na realidade. Ao fim de uma semana estava a minha escova de dentes a ocupar-lhe o copo que até então era só dele, ao fim de um mês os meus produtos para o cabelo ocupavam-lhe toda a prateleira do banho e os meus cabelos espalhados pela casa obrigavam-no a ficar em casa à tarde para a aspirar - não sei se já vos disse mas ele é um pouco maníaco com a limpeza e organização. Ao fim de dois meses perdeu uma gaveta na cómoda, ao fim de três perdeu mais duas gavetas no quarto e uma terceira na casa de banho. À medida que fui ficando mais à vontade, sapatos e sacos do ginásio foram deixados espalhados pela casa - não sei se já vos disse mas eu não sou nada maníaca com a organização - e aos poucos o espaço imaculado do outrora macho alfa que não se prendia a ninguém, foi sendo abruptamente substituído por um espaço mais tolerante e condescendente. Roubei-lhe, horas de sono, tempo com os amigos, tempo sozinho.

 

Parece que entrei de mansinho mas entrei de rompante e ocupei o espaço que era dele, como se fosse meu. Não somos dois miúdos, e tínhamos uma vida muito diferente antes de entrarmos na vida um do outro... Por isso às vezes o amor é como um estalo. Um estalo bem no meio da testa. Violento. Que nos faz acordar e perceber que o espaço também é relativo. Só quando vês a tua casa tão cheia é que percebes como estava vazia. Gosto de acreditar que ele está feliz com esta invasão barbara. E foi também um estalo para mim, eu que achava que sabia muito sobre a vida e sobre relacionamentos e estou a aprender agora a ser mimada. Eu ocupei as gavetas outrora dele com as minhas tralhas, ele encheu as gavetas da minha alma com sorrisos e com dias cheios e felizes.

 

O amor e estes estalos são sempre precisos. Como os beliscões para acreditarmos que não é um sonho e que a vida está mesmo a acontecer!

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.