Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Curtas do dia #249

Um dia destes tropecei no chavão vive cada dia como se fosse o último e reflecti seriamente sobre ele. Conclui que é dos chavões mais perigosos que se pode dizer a alguém...

 

Se eu vivesse cada dia como se fosse o último, estaria desempregada - não iria gastar o meu precioso tempo a fazer o que não me dá prazer -,  pesaria uns 200kg - obviamente aproveitaria para comer tudo o que pudesse e me apetecesse - e provavelmente não teria amigos - por mais frontal que seja, tenho uma coisa chamada de filtro social que me impede de dizer TUDO o que penso. 

 

Por isso, a sério, não me digam vive todos os dias como se fosse o último porque isso seria efectivamente a minha desgraça. 

4 comentários

  • Imagem de perfil

    A Caracol 19.04.2016

    Concordo aqui com a Psico! Acho que é essa a essência do ditado e não fazer o que nos apetecer. Até porque isso poderia trazer-nos remorsos na altura final. E morrer com remorsos deve ser uma treta. ;)
  • Imagem de perfil

    Mula 19.04.2016

    Mas fazer o que nos apetece, está um pouco ligado à nossa essência de querermos ser livres... e se nunca somos verdadeiramente livres, então nunca somos verdadeiramente felizes...
  • Imagem de perfil

    A Caracol 19.04.2016

    A questão é mesmo essa: até onde vai a tua liberdade? 
    Se magoares outros excedes os teus limites, no entanto, se te magoares a ti propria, sucede o mesmo: se te magoaa, ficas dorida. Se engordas até não puderes caminhar, ficas infeliz e dependente. Se ficares sem amigos, sofrerás de solidão. E poderia continuar... A liberdade, da forma que apresentas, é utópica. 
  • Comentar:

    CorretorMais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.