Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Burros, Mulos, Mulas e Jumentos: Uma questão de amor!

 

Burrobanner.jpg

 

Desengane-se quem achar que se refere tudo ao mesmo animal!

 

Com a criação deste blog, e com a atribuição do animal "Mulo" ao meu companheiro, surgiram algumas dúvidas aos leitores, que me questionaram se o termo mais correcto não seria "Burro" - não sei se pretendem de algum modo querer fazer alguma referência a alguma característica do próprio, ou se foi algum reparo inocente... Será algo para pensar!

 

Mas regressando ao tema, que não quero gerar mal entendidos. 

Primeiramente, desejo esclarecer, que não  lhe atribuí o nome de Burro por uma questão ofensiva, mas por uma questão de amor.

 

Continuando...

 

Equus africanus asinus, é o nome científico do burro, do asno, do jumento, do jegue e do jericó, ou seja, burro, jumento, jegue e jericó são diferentes nomes para designar o mesmo animal, o equus africanus asinus, que é uma subespécie de mamíferos perissodáctilos - não sabem o que são? Google it! - onde pertencem por exemplo, os cavalos. Tratarei a partir de agora os Equus africanus asinus por burros e burras, apenas para facilitar a conversa, ok?

 

Habitualmente ensinamos às crianças que a mulher do burro é a mula, mas não é necessariamente verdade. Atenção, que por mim eles podem namorar com quem quiserem, estou apenas a tentar abordar o tema de um ponto de vista mais católico e reprodutivo, que nos indica que os animais foram feitos para acasalarem (de preferência após o casamento) e desse acasalamento deverá resultar uma nova vida. Sabemos que nem nos humanos, nem nos animais tem de ser assim, mas normalmente ensinamos as crianças através deste ponto de vista, correcto?

 

Ora bem... A mula é estéril... Do ponto de vista reprodutivo, não pode acasalar com o burro para gerar muitos burrinhos e mulinhas bonitos e felizes, pelo que entra a puta que estraga esta união: a burra! A burra, que sabe que a mula é estéril, interfere nesta relação e diz ao burro: se queres ter filhos é comigo que tens de ficar! E assim é, quanto mais não seja, porque os criadores destes animais separam o jovem casal e põe o burro a acasalar com a burra, e este por sua vez nada ralado com isso, cumpre o exigido. Unhappy ending para a mula!

 

Os mulos a mesma coisa... Como são estéreis não podem acasalar produtivamente com uma Burra, e como tal a burra troca-o pelo burro, forte, viril, embora oco e sem qualquer qualidade que se preze... Começo a achar que as mulheres são, realmente, terríveis e fúteis... (hora do espancamento!)

 

Depois, há histórias de amor que ultrapassam barreiras. Normalmente histórias de verão que perduram no tempo. Apesar de animais diferentes, os cavalos e as burras (ou os burros e as éguas), apesar de viverem um amor proibido, contra tudo e contra todos, decidem envolver-se e fazerem o amor, resultando um fruto que os irá unir para todo sempre: a mula e/ou o mulo, que viverão para sempre com o estigma de serem estéreis, arriscando-se a serem trocados vezes sem conta, pelos burros e pelas burras! Uma vez mais, e até nos animais, um ato incosequente dos pais pode pôr em causa toda a vida dos seus filhos!

 

Então, meus caros, o facto de me autointitular mula e de chamar mulo ao meu companheiro, nada mais é que uma metáfora romântica. Seremos os dois estéreis, como simbologia de duas almas perdidas que se encontraram e formaram um par perfeito. Bonito, não é? ;) Happy ending para estes dois magníficos animais!

 

É nesta altura que eu penso: As coisas maravilhosas que eu sei! 

 

See you*

 

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Mula 09.11.2015

    Linda e maravilhosa! Eu sei! Image
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.