Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Acreditar em nós

Por um destes dias processei uma comissão e fui chamada ao gabinete da contabilista com a indicação de que os meus valores estavam errados. Expliquei-lhe as minhas contas, pareciam-me certas com os dados que me foram fornecidos (até porque é referente a um processo antigo). Veredicto final, eu estava errada e as minhas contas estavam erradas. Eu não sou de números, já se fossem palavras... Tentei pedir que me explicasse as contas dela, não o fez. Ok. Botei o olhinho - que sou miúda esperta - ao valor que estaria em falta pelas contas dela e fui fazer as minhas contas. Fiz e refiz. Eu estava errada, porque a contabilista é realmente uma calculadora exímia - disso não tenho a menor dúvida -, por isso eu tinha de perceber onde tinha errado.

 

Estive uma hora de roda daquelas contas, parando tudo o que estava a fazer. Sou teimosa, vocês sabem. Nada das minhas contas baterem certo com as da contabilista.

 

Passei para a fase dois. Admitindo que não iria conseguir, fui ter com a minha chefe e pedi para me ajudar já que eu não estava, pelos vistos, a conseguir. Não tinha a menor dúvida de que eu estava errada, por isso o gato tinha de ser encontrado.

 

A minha chefe - economista - fez as contas. Eu estava certa. O gato era imaginário. As minhas contas estavam certas. Sempre estiveram certas.

 

Duas conclusões:

 

Primeiro. Afinal as calculadoras exímias também erram.

 

Segundo. Se eu acreditasse, um pouquinho mais, em mim poderia ter batido o pé e não ter estremecido... e recuado como estremeci e recuei. Parece que é mais fácil duvidarmos de nós... Botar os cascos para correr e tentar corrigir um erro que não existe. Sou uma pessoa de aparente segurança, quem me vê normalmente, sou uma pessoa confiante, e nunca passo a mensagem de que eu estou errada, mas a de que "irei verificar" mas por dentro sou tão insegura como uma criança deitada à noite, com medo do escuro. Às vezes apetece-me bater em mim própria...

 

 

P.s.: Claro que no fim, tudo fica bem quando acaba bem, e eu estava certa e eu adoro estar certa.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.