Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

A Mula informa - Depressão pós-parto

502854e37a9b28be_Depressão pós-parto.jpg

 

Hoje, dia 10 de Outubro, é o Dia Mundial da Saúde Mental e como aqui a Mula não fala só de baboseiras, até porque a Mula também sabe umas coisinhas interessantes, vou-vos falar de um assunto muito sério, que afecta 10 a 20% das mulheres em todo o mundo, a depressão pós-parto (DPP).

 

Diz-se no senso comum, que a depressão é um problema da classe média-alta, que por ausência de preocupações reais, deprime. Diz-se ainda por esses autocarros fora, que quem tem de trabalhar todos os dias de sol a sol, não tem tempo para ter depressões. A verdade é que se diz muita coisa, porque infelizmente as pessoas podem dizer o que bem quiserem, mesmo quando não fazem ideia das parvoíces que saem boca fora. Digam o que disserem, a depressão, com todos os seus contornos, é uma doença em crescimento que afecta milhões de pessoas em todo o mundo e que pode ter as mais variadas origens.

 

Como sabem, eu escrevo muito, e como tal, se eu fosse a escrever sobre a depressão de uma forma mais abrangente não sairíamos daqui. Decidi por isso, e numa altura que o meu relógio biológico berra, focar-me só e apenas na DPP, que foi uma das minhas grandes "especialidades" no segundo e terceiro ano da faculdade.

 

Por isso preparem-se, e se estiverem com pressa, o melhor é nem começarem a ler... espera-vos um longo texto informativo.

 

Maternidade/Paternidade

Apesar de a maternidade ser vista de forma diferente, dependendo de cada civilização, existe muito a ideia - independentemente do tipo de povos, credos, localização geográfica ou etnias - que uma mãe deve desejar e amar o seu filho incondicionalmente, sendo culturalmente impensável que a mãe possa nutrir algum tipo de sentimento negativo para com o seu bebé. Mesmo ao nível dos primórdios da psicanálise, a possibilidade do ódio materno foi ignorado, aceitando-se apenas o ódio dos filhos para com os pais - como acontece aquando do complexo de Édipo e na adolescência.

 

No entanto, e contrariamente ao que é difundido socialmente, a maternidade não é um processo natural, e o desejo de ser mãe, não é algo que faça parte da condição feminina, e a prova disso, é que há muitas mulheres por este mundo fora, que não desejam ser mães, e nem por isso devem ser olhadas como se fossem um bicho do mato.

 

Algo que é importante reter, é que uma gravidez é muito mais que um espermatozóide que encontra numa discoteca qualquer, um ovulo com quem se envolve e origina um novo ser. A gravidez, é todo um processo de alterações biológica - ex.: alterações ao nível hormonal -, somáticas - ex.: alterações ao nível do peso -, psicológicas - ex.: reajustamento ao nível dos papéis na sociedade -  e sociais - ex.: alterações dos círculos de amigos. Todas estas alterações, podem provocar na mãe, confusão, letargia, ansiedade, que evoluindo negativamente pode resultar numa depressão, que nada tem a ver com o desejo - ou falta dele - de ser mãe e/ou pai. Muitos casais que planearam ter filhos sofrem de DPP assim como muitos casais que não planearam ser pais, podem integrar as tarefas parentais com sucesso e não sofrerem qualquer tipo de transtorno pós-parto. No entanto, quantos mais factores de risco - como gravidez na adolescência, conflitos conjugais, passado de depressão, entre outros - maior a probabilidade de vir a ter DPP, mas como qualquer outro factor de risco, noutras situações, não é preditivo.

 

Mas afinal o que é isto da depressão pós-parto?

A depressão pós-parto pode definir-se como sendo um transtorno mental que pode provocar várias alterações emocionais, cognitivas, comportamentais e físicas. Na mulher pode, ou não, iniciar-se logo após o parto e durar até ao segundo ano de vida do bebé. No homem existe maior incidência entre o 4º e o 6º mês e estima-se que ataca um em cada sete homens em todo o mundo.

 

Ainda que a DPP se manifeste nos dois sexos, é importante referir que têm origens diferentes. Se na mulher as origens são as alterações já referidas, nos homens, o que mais contribui para a sua depressão é a falta de apoio por parte da mulher. Nesta fase, mãe e bebé são um só, o que faz com o homem se sinta apenas mero observador que serve apenas para satisfazer as necessidades da mãe e do filho, sentindo que ninguém se preocupa em satisfazer as suas próprias necessidades, desta forma, a DPP no homem, surge como uma chamada de atenção inconsciente.

 

Quer no homem, quer na mulher os sintomas são semelhantes e incluem: ansiedade, a incerteza, a tristeza profunda, o desespero, a fadiga, a perda de interesse sexual, falta de concentração, pensamentos mórbidos, a impotência e o choro fácil. Na mãe, são ainda comuns os sentimentos de culpa, a vergonha, a intolerância e a cólera essencialmente para com o bebé. Às vezes, só o facto de o bebé começar a chorar, poderá despoletar na mãe sentimentos de desespero, porque se por um lado esta se sente esgotada, por outro, teme não estar a ser boa mãe, entrando assim em conflito consigo própria.

 

Tal como é habitual na área da saúde, são as mulheres que maioritariamente pedem ajuda aos profissionais de saúde, no entanto, por medo dos seus próprios sentimentos, e com medo do que a sociedade poderá pensar de si, é muito comum a mulher fechar-se e não pedir ajuda, o que poderá agravar o seu estado. É por isso muito importante, os familiares e amigos conseguirem avaliar, minimamente a mulher para a poder ajudar. O que acontece muitas vezes, é que este estado de confusão da mãe é desvalorizado, porque "como teve um filho é normal ficar assim... está cansada", mas como iremos verificar de seguida, quando os sintomas se estendem para além da segunda semana do pós-parto, os sintomas descritos já não deverão ser considerados normais.

 

A tristeza inicial, aquando do parto é normal, e não significa DPP

Brincando um pouco, como já vimos, ser mãe não é só abrir as pernas e fazer força, e como tal, é normal, que a mulher não sinta, logo no primeiro momento, conexão com o seu bebé. A mãe, essencialmente se teve um parto complicado e demorado, está cansada e ainda não se habituou à ideia de que existe um outro ser que precisa dela, mais do que ela própria. A mãe quer dormir, quer desesperadamente dormir. E existe assim uma outra explicação para estes sintomas de tristeza e recusa inicial de contacto com o bebé. Os especialistas denominaram esta situação de Baby Blues e estima-se que atinja cerca de 85% das mulheres em todo o mundo. Especialistas crêem inclusive que este valor seja mais elevado, mas que, pelas questões sociais e culturais, que já referi associadas à maternidade, podem causar medo e vergonha, levando as mães a não admitirem estas dificuldades, consideradas normais. Assim sendo podemos definir o Baby Blues como sendo um síndroma afectivo ligeiro que se poderá manifestar durante as primeiras horas e estender-se até à segunda semana do período do pós-parto.

 

Apesar desta situação ser, clinicamente, considerada normal, é necessário avaliar a mãe para que este quadro não evolua, efectivamente, para uma depressão.

 

Acima de tudo, quer no quadro de Baby Blues quer na efectiva Depressão Pós-Parto, o apoio da família nuclear e amigos mais próximos é essencial para que quer a mãe, quer o pai, possam ultrapassar o mais rapidamente este problema, sem consequências maiores. Esse apoio deverá vir isento de julgamentos e exemplos, porque cada caso é um caso, e às vezes um mero exemplo inocente de "olha eu tive uma amiga que também passou por isto e bla bla bla" pode colocar na mãe, ou no pai, uma pressão ainda maior da que estão a viver e surtir o efeito contrário, por isso muito cuidado com as palavras, porque se por um lado a palavra tem, ou pode ter, o dom da cura, também tem o dom da doença. Muito bom senso, sim?

 

Por isso, já sabes: Vais ser mãe? Tens algum familiar ou amiga que vai ser mãe? Está atenta aos sintomas deles e delas, porque tu também podes ajudar!

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.