Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

A Mula Conservadora

Esta semana com uns amigos, surgiu uma saudável discussão acerca das crianças de hoje em dia com visões muito opostas sobre a mesma situação. Nenhum de nós é pai ou mãe, no entanto tentamos socorrer-nos dos nossos valores, para ver como reagiríamos se fosse connosco. Eles, desvalorizaram. Eu, claro, como conservadora que sou com alguns assuntos, confesso que não consigo concordar ou aceitar.

 

Semana passada na Segurança Social uma mãe muito orgulhosa, dizia da sua filha que não tinha mais de 5 anos, que era muito vaidosa, que não saía de casa sem o seu batom. Que em tempos até chegou atrasada a um compromisso, porque a miúda teve de voltar para trás para casa porque se tinha esquecido do seu batom em casa e assim não saía à rua.

 

Contextualizando. Cresci numa família onde os adultos eram adultos e as crianças colocadas no lugar: maquilhagem só no dia de carnaval, verniz para as unhas só quando o rei fazia anos e a mãe estava bem disposta. Como tal, não consigo conceber que seja permitido a crianças tão pequenas rotinas de maquilhagem como se de um adulto se tratasse.

 

Os amigos defendiam que achavam piada a essa atitude, ela psicóloga de profissão, dizia que não mais se tratava de um comportamento de imitação de adulto e que não existe por isso - baseando-nos apenas neste comportamento - má ação paternal porque a situação é engraçada e que não prejudica ninguém.

 

Eu discordo totalmente. Por muito que até possam ser maquilhagens próprias para crianças - que não sei se efetivamente eram ou não - a verdade é que tenho as minhas dúvidas que isso faça bem à pele das mesmas. Nem a nossa maquilhagem nos faz bem, quanto mais a uma pele tão sensível como é a das crianças. 

 

Não consigo conceber que uma criança tenha acesso a maquilhagem tão cedo, e choca-me, mesmo as adolescentes hoje em dia, andarem pintadas que nem umas macacas em dias de circo. Não só porque faz mal à pele, mas porque acho que se está a criar uma sociedade baseada nas aparências, no físico, na vaidade e na ostentação em vez de nos preocuparmos com o que é realmente importante: como a bondade, a aceitação, entre outros.

 

Pois bem, admito que sou uma Mula conservadora, porque cresci também num ambiente conservador. Mas agora pergunto-vos:

 

Crianças e adolescentes maquilhadas: sim ou não?

5 comentários

  • Imagem de perfil

    Mula 30.01.2017 14:45

    Certo,  não vejo mal algum numa interação mãe-filha a menina ser maquilhada por brincadeira de quando em vez isso também eu o fiz. Agora por rotina? Não me faz sentido... 
    Quanto às adolescentes, creio que não me expressei corretamente. Eu aos 16 anos já usava rimmel e gloss, e não vejo mal nisso, mas agora o que se vê muito é o exagero: são jovens que vão para a escola como se fossem para uma festa, com maquilhagem muito carregada, para parecerem muito mais velhas... Isso não concordo e aí acho que os pais deveriam de intervir. 
  • Sem imagem de perfil

    Sara 30.01.2017 16:23


    sim, estou de acordo contigo em tudo. há que haver limites.
    quer na maquilhagem, quer no vestuário, ir para a escola como se fossem para uma festa é um absurdo.
    contudo  os pais não querem saber (pais que lerem isto, não me batam, sei que não são todos!), querida Mula. fazem as vontades aos filhos e pronto. vou afastar-me um pouco do tema, mas está relacionado. os filhos vestem o que querem... nestes dias que choveu mais, tive miúdos a ir de all star e ténis de rede para a escola. chegaram ao centro e tiveram de se descalçar para que os ténis e as meias secassem. na transição do verão para o outono, quando já estava frio, inclusivamente em dias de chuva, tive um aluno de 1.º ciclo a ir de calções e t-shirt, sem ter um casaco sequer. que tipo de mãe permite isto? (digo mãe porque os pais estão divorciados e foi numa altura em que estava com a mãe.)
    a grande preocupação dos pais é, infelizmente, que os filhos tenham tudo aquilo que querem. mas não percebem quão infelizes eles andam pela falta de atenção que os pais lhes dão, pela falta de momentos de brincadeira, de passeios em família, de conversa. muitas dessas miúdas que põem muita maquilhagem querem chamar a atenção, por não a terem em casa... é certo que não o fazem de forma correta, mas os pais têm culpa, em muitos casos.


    (desculpa, divaguei um bocado, mas apesar de não ser mãe, tenho muitos «filhos». :) )
  • Imagem de perfil

    Mula 30.01.2017 18:44

    Concordo. Acho que agora é-se permissivo demais. No meu tempo de miúda, andava eu no 5º ano, os meus pais foram chamados à escola e eu fui proibida de entrar na escola com um macacão que mostrava as costas... o macacão era de verão, era bem fechado à frente, era comprido mas as costas estavam à mostra... então eu fui proibida de andar com ele porque diziam que aquilo não era roupa de ir para a escola. Achei um exagero, e ainda acho, mas acho que se passou de um extremo ao outro: mas onde raio anda o meio termo? Pois não sei...
    Mas é isso que dizes, o que os miúdos querem é passar tempo com os pais, tempo de qualidade, não é ir ao shopping onde todos berram, pais e filhos, porque é um stress... Acho que cada vez mais há menos tempo para ter filhos... e espera-se que eles se criem sozinhos.
  • Sem imagem de perfil

    Sara 30.01.2017 19:01


    por mostrar as costas? no quinto ano? meu Deus!
    a mim diretamente nunca me aconteceu nada... só mesmo quando andava na Católica e criaram regras de vestuário, em que tínhamos de ir como se fossemos para a missa.
    é verdade, sim. há quem pense que são os professores quem tem de educar as crianças! até o faço, mas se os pais não começarem desde cedo, a minha intervenção de nada vale.
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.