Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

2018

transferir.jpg

 

Quando o ano de 2018 começou, estava longe de imaginar como iria terminar. Este ano não pareceu um ano, pareceram 3 ou 4. Eu que me queixo que o tempo voa, desta vez o ano foi enorme. Essencialmente desde Setembro até agora. Parece que de Setembro até agora foi uma eternidade e tanto aconteceu... Na vida, no blog... Toda a minha vida se reestruturou.

 

O que vocês não sabem é que no início do ano comecei a tentar engravidar. E como é que passamos de uma tentativa de maternidade para um divórcio? Pois...

 

Entendem como foi um ano enorme?

 

2018 foi o ano em que completei 30 anos e onde a crise dos 30 me atirou ao chão e rebolou sobre mim. Com o divórcio, regressei a casa da mãe. 10 anos depois. Curiosamente saí em Outubro de 2008 e regressei em Outubro de 2018, podemos dizer que foi um ciclo completo. Que coisa estranha esta coisa da vida...

 

Aqui, com 30 anos tive de me reerguer. Aprender novas rotinas, ganhar novas forças, e apesar de tantas vezes cair ao chão, deitar as mãos à cabeça e perguntar-me vezes sem conta porque estou a passar por isto, estou a reerguer-me o melhor que sei. Tenho saído, tentado conviver com pessoas, divertir-me. Estou a tentar fugir da solidão que tantas vezes nos atira mais ao chão e nos cobre de pó. Eu não quero estar no chão coberta de pó.

 

Em 2018 foi também quando olhei para o espelho e comecei a gostar um pouco mais do que via. Ao menos isso. Imaginem o que era eu, gorda, divorciada aos 30 e sem pingo de autoestima? Ao menos sou gorda, divorciada aos 30, mas com uma autoestima que me permite aguentar com um sorriso no rosto o dia-a-dia. Todo o dia. Hoje gosto mais de mim, e talvez por isso tenha olhado para trás e percebido que merecia mais, que precisava de mais, que queria mais. Não por uma questão fútil ou egoísta, mas porque batalhei toda a vida por mais, apesar de não ter tido a sorte esperada. E 2018 foi também o ano que eu percebi que posso ter mais e isso no fundo acalenta-me o coração.

 

Posto isto, confesso que estou um pouco assustada com o novo ano que vai entrar, não que a mudança de um calendário faça diferença alguma mas... Estou assustada com o novo ano que vai entrar, ainda que... sejamos sinceros, pode sempre piorar eu sei mas... Qual é a probabilidade de ser um ano pior que este?

 

Venha 2019! 

1 comentário

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.