Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Diário de uma desempregada #1

Um mês e uns dias, é o tempo que já estou desempregada.

Um mês e uns dias, é o tempo que estou à espera para resolver a minha situação.

Um mês e uns dias, é o tempo que não estou ativa, não tenho uma remuneração ou ocupação que valha a pena referir.

 

Um mês e uns dias parece muito tempo, mas na realidade ainda não me senti verdadeiramente desempregada, porque há um mês e uns dias, foi também a operação do Mulo e pouco parei desde então. Assim, entre centros de saúde, hospital, ACT's, tribunais para resolver este e outro assunto, e entre tratar deste e de outro papel, entre entrevistas de trabalho, e cuidar da casa, ainda não me senti verdadeiramente desocupada. Ainda não senti que o tempo livre é excessivo ao ponto de não saber o que fazer com ele, como aconteceu noutra situação de desemprego.

 

Apesar de tudo, tem sabido bem descansar. Tem sabido bem esta pausa para colocar os pensamentos no lugar e perceber o que quero e preciso realmente. Precisava deste tempo sozinha, precisava para organizar o meu roupeiro, que é como quem diz, a minha alma, porque a alma também se desarruma.

 

Um mês e uns dias de desemprego parece-me bem, e acho que já descansei. Por isso espero que 2017 rapidamente me devolva, aquilo que 2016 me tirou, e os dias têm estado tão belos, que não vejo porque não!

Semana 2 - Desafio 365 Fotos

1484420181861.jpg

 

Mais uma semana passou, acho que foi uma semana, fotograficamente falando, bonita. Aproveitei muitas fotos de passeios recentes que fiz, e fui publicando ao longo da semana e gostei muito do resultado.

 

Foto 1 - Fotografia tirada antes de uma entrevista de trabalho, e acho que a mensagem da Luso não podia ter vindo mais a calhar: "Quero a paz, mas por ti vou à luta." Eu irei sempre à luta e tentarei sempre dar o meu melhor!

 

Foto 2 - Fotografia tirada perto de Amarante num passeio que dei com o Mulo na véspera de ano novo, antes de virmos para casa abrir o nosso champanhe e comer as nossas passas.

 

Foto 3 - Fotografia tirada na central elétrica do Lindoso, uns minutos antes de o Mulo ter lixado o menisco. Aquilo ali é lindo!

 

Foto 4 - Tirada em tempo real. Quinta-feira foi dia de madrugar, para ir tratar da minha situação pseudo-laboral. A minha cidade estava meia mística, cheia de encanto, cheia de nevoeiro.

 

Foto 5 - Eu e o Mulo fomos dar um passeio até à foz, ver o pôr-do-sol. O Farolim de Felgueiras é muito fotogénico. Eis um dos resultados.

 

Foto 6 - Algo que sempre me encantou foi a Pérgola da Foz, situada entre a praia da Luz e os jardins da Avenida de Montevideu e que apesar de parecer uma construção recente, data o ano de 1930. Um dos grandes encantos da Foz.

 

Foto 7 - E Sábado foi dia de fazer bolo! Bolo simples, mas com um toque especial: pepitas de chocolate no interior e cobertura de chocolate e coco! Uma delícia, porque aos fins-de-semana são sempre dias de mimo, porque é quando o Mulo está de folga.

 

 

Para além destas fotos, outras foram publicadas, que poderão ver no Instagram catita da Mula!

 

Para a semana há mais, fiquem com a Mula!

Finalmente alguém com coragem para dizer o que eu penso...

Eu até sou uma pessoa direta... Sou sim, os amigos queixam-se disso, o marido também, a mãe então... Mas há coisas que eu tento não dizer às pessoas para não as magoar, mas... BASTA! É que realmente basta! Não pode ser. Não quero mais que as pessoas me prejudiquem desta maneira, porque como sabem eu sou uma pessoa que não pode ver as coisas que tem de experimentar e ... e... e... E os resultados estão à vista!

 

Felizmente a Marcela Tavares teve coragem para dizer tudo aquilo que eu não consegui! Obrigada Marcela! E no teu português te digo "é isso aí!"

 

 

Bom fim-de-semana!

Hambúrgueres Artesanais em Ermesinde é no Paletes Burger Caffé

Quem me conhece sabe que adoro hambúrgueres, talvez por isso o meu primeiro trabalho tenha sido numa hamburgueria muito famosa da nossa praça.

 

Por ser apreciadora, estou sempre em busca de novos locais onde possa saborear bons hambúrgueres, que saibam verdadeiramente a carne, de preferência com preços acessíveis, perto de casa. Assim encontrei por acaso o Paletes Burger Caffé em Ermesinde, na Rua Gil Vicente, perto do parque urbano de Ermesinde, numa altura em que irmos ao Baixa Burguer - um dos meus favoritos - estava fora de questão. Ai se eu tivesse sabido disto quando andei no ginásio lá perto!

 

64470_1201857776508933_3758387454970708670_n.jpg

 

O conceito não é novo, a decoração americana do restaurante também não - paletes, carro na parede, disco de vinil a fazer de individuais -, mas a simpatia de quem nos atende faz-nos querer regressar, aí é muito diferente de outras hamburguerias mais conhecidas, que parece que fazem tudo para despachar sem se importarem verdadeiramente por cativar o cliente, aí, se os ditos não valerem por si, então nada salva a casa.

 

paletes bar 1.jpg

 

 

Chegamos cedo. A bem dizer, cedo não é a palavra certa. Tivemos cá fora à espera que abrisse, por isso fomos logo os primeiros a entrar, ainda não era bem hora de jantar, por isso seria de prever que demoraríamos algum tempo a sermos servidos, para que tivessem tempo de aquecer os grelhadores e afins. Não aconteceu, fomos servidos bastante rápido, e ainda bem, que confesso, estávamos cá com uma fome...

 

O meu, para não variar, mais agridoce, com maçã, cebola caramelizada e queijo da serra, o dele, mais forte, com bacon, cebola frita e cheddar. Os restantes hambúrgueres da carta são bastante variados, há ingredientes para todos os gostos, e existe a facilidade de substituir ingredientes que não gostamos por outros.

 

paletes bar 2.jpg

 

Os hambúrgueres são sem dúvida, deliciosos, as batatas às rodelas caseiras, foram servidas bem quentes e bem secas. Um ponto negativo, e deixo desde já aqui a sugestão, o molho para as batatas é insuficiente tendo em conta a boa dose de batatas que servem. Fui obrigada a ir roubar molho ao Mulo, que costuma comer as batatas só no final, e ainda por cima o molho, de alho, é bem saboroso, o que ficou a saber a pouco. Provavelmente, e tendo em conta a simpatia da funcionária, se tivesse pedido mais molho teriam servido, mas acho que a dose é realmente muito reduzida. Algo que me desagradou também no restaurante é a altura das cadeiras face às mesas, é mesa tipo bar, em que a mesa e bancos são praticamente da mesma altura e torna a refeição um pouco mais desconfortável, no entanto, felizmente estes hambúrgueres são super simples de comer, apesar de não serem pequenos, o que nos permitiu facilmente pegar neles sem medo de nos sujarmos, o que acontece com outras hamburguerias mais fancy, onde por vezes são muito bons, mas acabamos a espalhar o hambúrguer pelo prato, pelo chão e pior... pela roupa. Aqui não aconteceu, comemos sem problemas.

 

Para terminar a refeição em grande, e se os hambúrgueres já eram irrepreensíveis, chegou a sobremesa, por sugestão da menina: bolo de chocolate com coco. Cinco palavras: DE-LI-CI-O-SO!

 

bolo.jpg

 

 

E quem é que daqui já foi ao Paletes Burger Caffé?

Livro Secreto 1ª Edição: Balanço Final

Corria o ano de 2015, era inverno, estava frio, os fusíveis da MJ deram curto circuito e desse fusco-fusco, surgiu o desafio de leitura denominado por Livro Secreto, que fez 13 pessoas lerem um livro por mês, ao longo de 2016. Choquem-se, há livros e livros, e nós, participantes, igualmente com um, provavelmente vários, fusíveis a menos, participamos para ler livros que não escolhemos, que não desejamos, e até em algumas situações, de que não gostamos. De doidos!

 

No entanto, se nunca tivesse participado, e lido livros que não escolhi, que não desejei e que não gostei, também não teria, provavelmente, descoberto Zafón, sendo A Sombra do Vento, o meu livro favorito de todo o desafio, e um dos melhores livros que li desde sempre. Desde aí seguiram-se os restantes livros da saga, e a parte ingrata é que os tenho todos menos... A sombra do vento - falta-me este cromo para coleção! Este é sem dúvida o grande ponto positivo do desafio, porque conheci livros que de outra forma não conheceria, e deixei-me surpreender por livros pelos quais não depositava qualquer expectativa, como foi o caso d'O Navegador Solitário, uma das grandes boas surpresas do desafio. Claro que, a parte chata é quando não há esta surpresa e acabamos a ler livros que não nos dizem nada, como foi o caso d'O novíssimo testamento, que sendo engraçado e coiso e tal, não me despertou nem captou a minha atenção, tendo-o lido com batotas, saltitando páginas e mais páginas porque até fiquei com curiosidade de saber o final. Este é o grande ponto negativo do desafio, é o não gostar e o tentarmos ler ainda assim. No entanto, em 11 livros recebidos - falta-me receber o último - só não consegui ler dois livros: o Cloud Atlas por ter vindo em má altura, e a Tragédia da Rua das Flores, que por uma questão de ginástica visual, devido à fraca qualidade dos livros das edições dos Livros do Brasil me fazia enjoar nas viagens de comboio, e o pouco tempo que passei em casa não me foi suficiente para levar avante a leitura. 9/11 livros lidos. Que bem.

 

O livro que ainda tenho comigo e que conto enviar no decorrer desta semana é A Pérola, a tão preciosa pérola com excertos tão simples e belos como este: "Não é bom desejar uma coisa demasiadamente. Pode afastar a sorte. Deve-se desejar só o bastante." que de tão simples e bela nos faz querer mais.

 

Sem dúvida que é uma experiência a repetir, essencialmente agora que fiquei desempregada e tenho mais tempo para ler e menos dinheiro para comprar livros, e apesar de ter custos associados, que os envios não são gratuitos, nunca gastei mais do que 2€ para enviar um livro, com envelope incluído, por isso creio que o custo face ao benefício é mais do que reduzido.

 

O livro que enviei para o livro secreto foi o Adultério de Paulo Coelho.

 

 

Trouxe por isso, para o desafio um autor pouco apreciado pelo grupo, sendo por isso um dos livros que recebeu maior número de críticas negativas, no entanto, é sem dúvida um autor que eu aprecio bastante e por isso não me arrependo de ter sido o livro enviado, porque me fazia sentido naquela altura, no entanto o próximo será diferente, bastante diferente, e espero por isso que seja do agrado.

 

Irei fazer parte da segunda edição do livro secreto. Se se quiserem juntar a nós enviem mail para: eagoraseila@sapo.pt mas atenção que as participações são limitadas!

 

20175618_tNDks.png

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.